Wikileaks – Assassinato Colateral – Vídeo do homicídio dos repórteres da REUTERS


Collateral Murder – Wikileaks – Iraq

Tal como havia prometido o site de denúncias/whisleblower, Wikileaks, divulgou ontem o vídeo que a REUTERS vinha tentando obter através de pedidos FOIA às Forças Armadas dos EUA e o qual estas continuavam a recusar afirmando que as acções dos soldados estavam em conformidade com a lei dos conflitos armados e suas próprias regras de combate.

Neste as imagens mostram o assassinato de diversas pessoas, civis, incluindo duas pessoas que trabalhavam para a REUTERS, o fotógrafo de 22 anos Namir Noor-Eldeen e o seu motorista,  Saeed Chmagh de 40 anos.

 Iraq: Wikileaks video of US military killing journalists – Boing Boing

Wikileaks claims to have obtained and decrypted video that shows US occupying forces in an Apache helicopter intentionally firing on a dozen civilians in Baghdad, including journalists working for the Reuters news organization: 22-year-old Reuters photographer, Namir Noor-Eldeen, and his driver, Saeed Chmagh, 40.

Infelizmente o que desde ontem se pode ver no vídeo divulgado pelo Wikileaks é algo bem diferente e que atenta contra as mais básicas regras do bom senso, de humanidade, e até da guerra e de zonas de conflitos armados.

http://bluraymedia.ign.com/bluray/image/article/994/994690/blue-thunder-crashes-20090615085525917-000.jpg

Descontando o facto que todos os militares dos EUA estão sobre grande pressão, tensão, uma vez que estão numa guerra que nunca fez sentido e que foi vendida a todos, incluindo a eles, através de uma enorme campanha de mentiras propagadas pelos media pertencentes aos interesses do Complexo Industrial Militar, a verdade é que aqueles soldados que levaram a cabo a carnificina que se observa neste vídeo, tinham muitas razões para a não levar a cabo.
Estavam muito distantes das pessoas que assassinaram como tal mesmo que estas estivessem armadas, não estavam a ameaçá-los, para além disso encontravam-se numa máquina de guerra temível, um Helicóptero Apache que os protegia.

Se as pessoas assassinadas estivessem a preparar algum ataque por certo não estariam num ajuntamento e muito menos se encontrariam tão descontraídas no meio da rua.

Como afirmei esta matança foi executada a partir de um Helicóptero Apache, que apesar de distante por certo se ouviria, afinal de contas não creio que este tenha tecnologia como o famoso Whisper Mode do Raio Azul e por certo se poderia observar no ar, em momento algum as pessoas no vídeo divulgado estão a ameaçar ou mesmo a olhar para o mesmo.

As imagens são bastante nítidas e em virtude de não haver uma ameaça premente à integridade dos ocupantes do Apache não se percebe porque razão não tentam observar melhor a cena, até porque não é propriamente difícil a quem vê o filme verificar que existem pessoas com tele-objectivas e máquinas fotográficas.

Mesmo que se tratasse de um grupo de pessoas que se preparavam para atacar, as leis da guerra são muito claras quando afirmam que não se pode atacar quer feridos quer pessoas que os tentam resgatar como é visível no posterior ataque à carrinha que depois se vem a saber tinha duas crianças no seu interior.
E isso é comprovado nas próprias imagens do vídeo por soldados dos EUA.

Mesmo a enorme tensão que se vive nestas zonas de guerra e a que os soldados estão sujeitos, não é do ponto de vista humano, compreensível a tamanha fome de morte que se percebe haver nas pessoas que se ouvem no vídeo e que atacam indiscriminadamente aquelas pessoas e depois rindo-se do seu feito e afirmando “Oh, yeah, olha para aqueles bastardos mortos”

Collateral Murder

Oh, yeah, look at those dead bastards.

Para terminar e apesar de já ter lido umas quantas notícias e debates sobre estes acontecimentos continuo sem perceber como é que o site Wikileaks conseguiu, tal como eles próprios afirmam, desencriptar o vídeo que segundo eles se encontrava encriptado com criptografia militar.

Ora das três uma, ou não foi o Wikileaks que o fez e sim quem obteve o vídeo que para além de ter acesso a ele também tem acesso à chave, ou a criptografia usada nestes vídeos é muito, mas muito má, algo que eu duvido, ou então tal como algumas vozes vêm afirmando que o Wikileaks é uma máquina de desinformação controlada pela intelligence dos EUA.

Infelizmente será difícil pelo menos para já comprovar isto, mas também sabemos que vivemos num mundo de espelhos e sombras e que não podemos cegamente acreditar em tudo, por isso sempre digo, não confiem em nada do que lêem, nem no que por aqui escrevo, busquem todas as fontes e mais algumas, não tenham vacas sagradas.

Para já continuo a dar o benefício da dúvida ao projecto Wikileaks por diversas razões, a primeira é porque por enquanto as suas acções são o que mais me interessa e a verdade é que têm colocado cá fora documentos bem importantes e por isso mesmo são perseguidos, dos EUA à Austrália [It certainly looks like the ACMA blacklist, eh Senator Conroy] e Alemanha já para não falar nos países e regiões ditas não democráticas ou mesmo ditaduras como a China, Irão etc.

Outro factor importante é que não têm qualquer problema em divulgar links contra eles próprios onde são acusados disto mesmo, de serem um projecto de Desinformação, como ainda ontem pude verificar na sua conta do Twitter.

E existe ainda o facto de há não muito tempo terem divulgado o documento que já aqui fiz referência onde a intelligence dos EUA se preparavam para os desacreditar «U.S. Intelligence planned to destroy WikiLeaks, 18 Mar 2008».

É claro que tudo isto pode ser visto ao espelho e como tal servir exactamente para esconder os seus verdadeiros objectivos.

Torrent do vídeo full mp4Julian Assange – New Media Days

JULIAN ASSANGE is a journalist, programmer and activist. He sits on the Advisory Board of WikiLeaks and acts as their spokesperson. Famous for his teenage ventures into ethical computer hacking, Assange was later instrumental in introducing the Internet to Australia and co-founded Australia’s first free speech ISP. He has broken stories at most major venues and been a subject of several documentaries.

Wikileads » Wikileaks’ Julian Assange discusses the ethics of corporate leaking

The
UK-based Resist Network interviewed Wikileaks director Julian Assange
about the ethics, mission and purpose of Wikileaks and whistleblowing.

Artigos que li:

Powered by ScribeFire.

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 66 outros seguidores