Como controlar por completo a Rede Internet: DRM, DMCA/EUCD, TPM e ACTA

O título desta entrada pode parecer exagerado, mas se lerem o que a seguir irei expor perceberão e provavelmente até concordarão com ele.

Infelizmente até provavelmente pecará por defeito, uma vez que não será apenas a Rede a estar sob vigilância e controlo mas todos os dispositivos electrónicos que dispomos.

Escusado será dizer que o total controlo, a censura e até a possibilidade de não permitir que indesejáveis e críticos dos diversos governos espalhados por esse planeta acedam às Interwebs e até façam uso de sistemas operativos Livres (GNU/Linux, BSDs, OpenSolaris, Haiku entre outros), são sem dúvida objectivos há muito perseguidos pela escumalha da Nova (Des)Ordem Mundial que como num jogo de xadrez vêm mexendo as suas peças, preparando pacientemente o ataque final às nossas Liberdades, Privacidade, bem como ao direito de expressão e partilha.

Como em muitos outros projectos da NOM/NWO, as peças são movidas em diversos palcos, por vezes sem sequer parecer que tenham algo a ver umas com as outras.

Tem sido assim com a destruição da Constituição dos EUA, pequenos passos, como a criação da FEMA (que apesar de parecer o contrário é na realidade esta que controla o DHS) (criada por Jimmy Carter a 30 Março de 1979), após esta a criação do COG, após os atentados False Flag do 11set2001 e com a criação do Patriot Act, assistimos ao fim do Habeas Corpus, com a negligência criminosa do Katrina [en] vimos o Posse Comitatus não ser respeitado, mais recentemente temos assistido à tentativa de criminalizar a posse e uso de armas (até simples canivetes) bem como muitos outros projectos da NWO.

No que à tecnologia concerne existem cinco grandes projectos para nos retirarem os nossos Direitos e usando-os, controlarem-nos.

Tratam-se da DMCA que na Europa se designa de EUCD, da DRM, do TPM e mais recentemente do ACTA.

É claro que para além dos acima referidos, existem muitos outros projectos de vigilância que atacam a nossa Privacidade como escrevi na entrada anterior.

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/0/0b/TPM_english.svg/580px-TPM_english.svg.png
Trusted Platform Module (TPM)

Antes de mais, convém afirmar que Nunca nenhum malfeitor se preocupou muito com as Leis, nem mesmo com a Pena de Morte, como tal nada do que a seguir irei descrever serve para impedir estas pessoas de cometerem os crimes que quiserem, para além disso não precisamos de mais leis uma vez que os crimes mesmo os cometidos online já estão consagrados no direito.

Não sei se leram mas no início deste ano, num encontro do Forum Económico Mundial em Davos na Suíça, Craig Mundie, um dos manda chuva da microsoft (chief research and strategy officer) desde o primeiro minuto um grande defensor da implementação do DRM e do TPM, resolveu dar a dica que se deveria implementar uma Carta de ‘Condução’ da Internet, ou seja uma permissão outorgada pelo poder instituído, que foi logo apoiada pelas Nações Unidas (o Governo Mundial já em actividade ainda que na sombra), nomeadamente por Hamadoun Toure, Secretário Geral da International Telcommunications Union num discurso no World Economic Forum e teve ainda o total apoio dos papagaios da Time magazine e NYTimes.

Creio que já esta semana, Obama deu mais um passo, EUA propõem novo sistema de identificação para transacções na Net

Há que relembrar que nunca ninguém se lembrou de pensar neste tipo de invasão da privacidade para as linhas de telefone normais, apesar destas serem usadas por aldrabões, ladrões, marketing não desejado, criminosos etc….. e até pedófilos [Think of the Childrem!!!]

Reparem nos nomes que foram escolhidos para apresentarem tais medidas, Carta de Condução da Internet, National Strategy for Trusted Identities in Cyberspace

No primeiro caso foi escolhido algo que as pessoas conhecem, já estão familiarizadas e como tal aceitam mais facilmente sem se questionarem muito sobre as reais consequências e objectivos.
No segundo, a palavra chave é Trusted, confiável. O problema é que este confiável/confiança está subvertido como abaixo será explicado.

Quando estes senhores estão todos de acordo é porque as coisas para o lado dos cidadãos vão ficar negras, como se costuma dizer.

Vou agora tentar explicar ainda que brevemente o que são estas cinco peças no jogo da implementação de censura por esta ditadura a nível mundial.
É óbvio que elas nunca serão apresentadas como censura, mas SEMPRE como algo de positivo para os cidadãos, como uma medida de protecção, como se os cidadãos estivessem a ganhar algo em vez de na realidade estarem a perder e muito, os seus mais básicos direitos como seres humanos que somos.

É o NEWSPEAK, a linguagem de ‘1984’ de Orwell, que há muito deixou de ser ficção para passar a ser realidade nos dias que vivemos, onde Guerra é Paz, Segurança é Opressão, invasão da nossa Privacidade etc.

E neste quadro de mentira e inversão de termos não faltará o já famoso apelo que tudo justifica, Think of the Children…. Pensem nas crianças, tão inocentes e desprotegidas, para combater o papão da pedofilia que diversas notícias e livros nos levam a crer que é controlada por altas esferas do poder em diversos países incluindo o nosso, da política ao Vaticano.

DMCA e EUCD
(via wikipedia)

A 12 de Outubro de 1988 foi votada por unanimidade no Senado dos EUA e a 28 do mesmo mês tornou-se lei pela mão do fantoche Bill Clinton, implementando assim dois tratados de 1996 da World Intellectual Property Organization (WIPO).

Surgia para alargar o alcance do direito de autor, embora limitando a responsabilidade dos prestadores de serviços on-line para a violação de direitos de autor pelos seus utilizadores.

Permite assim criminalizar a produção e disseminação de tecnologias, dispositivos e serviços que permitam contornar a DRM por forma a dar acesso a conteúdos sob copyright.

Além disso, criminaliza o acto de contornar um controlo de acesso, quer exista ou não violação dos direitos de autor.

A directiva InfoSoc da EUCD proíbe também a evasão de medidas de protecção contra cópias, tornando-a ainda mais restritiva que a DMCA.

A EUCD implementa também ela o Tratado de Copyright do WIPO e foi decretada ao abrigo das disposições do mercado interno do Tratado de Roma.
Dois exemplo de como isto nos afecta mesmo que não estejamos a quebrar qualquer lei ou a infringir qualquer copyright, aliás um dos exemplos estamos mesmo a actuar de acordo com o que a lei nos permite.

  • A DMCA/EUCD apesar da legislação portuguesa permitir a cópia para fins de backup ou uso em outros dispositivos (ex: leitores de ogg vobis e mp3), proíbe-nos de efectuar-mos uma cópia de um DVD ou CD originais que tenhamos adquirido legitimamente caso estes tenham DRM, isto porque estas pseudo-leis não permitem contornar essa medida de protecção (dos interesses alheios, não do consumidor).
  • Imaginemos que temos uma garagem com uma porta automática e que por alguma razão perdemos ou danificámos o controlo remoto, segundo a DMCA podemos ficar proibidos de usar a garagem caso pretendamos adquirir um controlo remoto que não seja da marca que fabricou o dispositivo que a porta tem, uma vez que a empresa que os fabrica, uma espécie de controlos universais poderá não poder fazê-lo porque estaria a contornar tecnologia de outra empresa. (em Tribunal este caso foi perdido pelos defensores da DMCA/DRM, mas é uma maneira de combater potenciais concorrentes, usando pseudo-leis em vez de produtos inovadores e de qualidade)

O DRM é uma tecnologia, Digital Rights Managment, ou como a FSF lhe chama, Digital Restriction Managment, cujo objectivo é o de proteger não o consumidor, mas sim todos os produtores de hardware, editores e detentores de direitos de autor, impondo limitações no uso de dispositivos e conteudos digitais.

Como afirma a Free Software Foundation na sua página contra o DRM, Defective By Design, o DRM serve apenas para nos retirar, restringir os nossos Direitos e por isso mesmo deve ser designada de Gestão Digital de Restrições.

  • O uso de DRM em CDs e DVDs do primeiro exemplo acima, o da cópia, restringe assim o NOSSO Direito a efectuar-mos uma simples cópia de segurança de uma obra que tenhamos legalmente adquirido.

O Tratado ACTA que tem vindo a ser criado à porta fechada, nas costas dos cidadãos e que o Presidente fantoche Obama bem como a UE têm escondido (só recentemente divulgaram o rascunho do mesmo) dos seus cidadãos com a desculpa de se tratar de algo perigoso para a ‘Segurança Nacional’, o que até é simpático da parte deles, uma vez que demonstra aquilo que venho repetindo aqui amiúde, que quem eles temem são os cidadãos (os nossos direitos é que são um perigo, não para a Segurança Nacional mas para a Oligarquia Cleptocrática que nos domina), trata-se de um acordo internacional que visa forçar o cumprimento dos direitos da Propriedade Intelectual dos grandes interesses (o termo Propriedade Intelectual é em si uma aldrabice).

Pretende-se ainda com o ACTA criar um novo quadro legal internacional fora do ambito do WIPO, do WTO e UN, com o seu próprio corpo governativo e ao qual os diversos países se poderão juntar, ou melhor, serão forçados a isso.

Reparem bem no esquema, com o “seu próprio corpo governativo”, ou seja não estando dependentes de ninguém, na realidade serão mesmo os países que se terão de vergar perante essa nova entidade e seguir os ditames de quem a criou e gere, no fundo a Banca através dos seus multiplos interesses e conglomerados.


TRUSTED COMPUTING “computação (des)confiável”

Trusted Platform Module (TPM) / Trusted Computing Group (TCG)

A quem o seu computador deve obedecer? A maioria das pessoas pensa que seus computadores devem obedecer-lhes, e não a outras pessoas. Com um plano chamado “computação confiável (trusted computing)”, grandes empresas de media (incluindo as empresas de cinema e gravadoras), associadas a empresas de computação, tais como Microsoft e Intel, estão planejando fazer o seu computador obedecer a elas e não a você. (A
versão da Microsoft para este esquema chama-se “Palladium”.). Programas proprietários já fizeram a inclusão de características maliciosas antes,mas este plano irá torná-las universais.

by Richard Stallman

Esta introdução de Richard Stallman explica bem o grave problema que é o TPM e tecnologias associadas.

O problema com o TPM/’trusted’ computing (mais uma vez a palavra ‘confiável’) é que nós, os detentores, donos do equipamento Não somos confiáveis para os fabricantes do hardware, software e detentores de media.

O TPM é um processador criptográfico, um chip de cifra, que em muitos casos já vem hoje embutido nas motherboards especialmente nas de portáteis (uma lista das empresas que o estão a patrocinar e implementar), mas cujo objectivo será introduzi-lo em tudo quanto é dispositivo electrónico, discos rígidos, leitores de audio e vídeo, telemóveis etc

Este chip contém uma chave criptográfica privada, Endorsement key, que nunca é controlada por nós, quem a lá coloca e quem a controla são apenas os produtores do hardware em conjunto com os seus associados, empresas de media, de software (a microsoft já hoje faz uso dele em conjunto com o bitlocker) etc.

Tal como nós podemos criar uma hash de todo os ficheiros que dispomos no disco rigido por forma a saber-mos se eles foram alterados sem o saber-mos (usando por exemplo o AIDE), também o chip TPM dispõe dessa possibilidade, chama-se remote attestation[1], que para além do software cria também uma hash do hardware.

Só que ao contrário do Software Livre AIDE que somos nós que instalamos e corremos e apenas depende da nossa vontade, como o nome indica, na comprovação remota[1], essa verificação é feita por quem controla a chave privada do chip, ou seja, eles sabem que software estamos a usar mas mais importante, podem impedir-nos de instalar software que desejemos ou ainda proibir-nos de contornar esse software. O mesmo se passa com o hardware, é criada uma hash que informará os detentores da chave de todo o hardware que possuímos e de como este deve de interagir com o software.
Hardware que não respeite as obrigações impostas através do chip TPM pelos reais donos dos dispositivos, as empresas que os produzem, ou não funcionam ou caso sejam tão ‘perigosos’ para os detentores da chave privada (ou outros interesses, leia-se o Big Brother da NOM), o computador por e simplesmente se recusará a funcionar.

O que nos espera

Não sei se repararam mas a cada medida tecnológica corresponde uma medida legislativa e criminalizadora por forma a implementar à força essas medidaas tecnológicas que nos restrigem os mais básicos Direitos, o que para o realizador e escritor Gonzalo Lira é a definição de uma Ditadura, um Estado Policial. [ele chama-lhe fascista, mas eu prefiro não usar essa palavra, prefiro chamar-lhe de Socialismo Corporativista à la Duce (de Corporação empresarial)]

Gonzalo Lira: Is the U.S. a Fascist Police-State?

First of all, what is a “fascist police-state”?

A police-state uses the law as a mechanism to control any challenges to  its power by the citizenry, rather than as a mechanism to insure a civil society among the individuals. The state decides the laws, is the sole arbiter of the law, and can selectively (and capriciously) decide to  enforce the law to the benefit or detriment of one individual or group or another.

In a police-state, the citizens are “free” only so long as their actions remain within the confines of the law as dictated by the state. If the individual’s claims of rights or freedoms conflict with the state, or if the individual acts in ways deemed detrimental to the state, then the state will repress the citizenry, by force if necessary. (And in the end, it’s always necessary.)


A DRM tinha e tem o suporte da DMCA/EUCD, o passo seguinte para uma DRM global e eficaz é o TPM proposto pelos mesmos de sempre, as empresas que fazem parte da TPA e que por sua vez estão nas mãos da Oligarquia, o suporte para a sua aplicação chega-nos através do Tratado ACTA.

Algumas consequências de todas estas peças de xadrez meticulosamente planeadas e implementadas nas costas dos cidadãos distraídos com futilidades, programas de entretenimento estupidificantes, pseudo-notícias, novelas, futebol e propaganda:

  • Ao contrário do que se passa hoje em dia em que apesar de já ser-mos controlados, uma vez que para aceder-mos à rede em nossas casas precisamos de um contracto com um ISP que guarda todas as nossas ligações devido à transposição da directiva europeia de retenção de dados, ainda assim podemos fugir a essa vigilância recorrendo à alteração/spoof do MAC address e usando uma ligação wireless longe de nossa casa e o TOR, poderemos estar relativamente anónimos; No entanto com o acima exposto, num futuro próximo estaremos completamente na mão das mutinacionais elas as donas dos Estados e Governos fantoches e corruptos que os (des)governam uma vez que elas detém as chaves privadas e secretas do TPM que todos os dispositivos irão ter.
  • Uma vez que não detemos as chaves privadas do TPM na realidade o equipamento tal como acontece hoje com as músicas, os CDs e DVDs, não nos pertence, nós apenas pagamos um aluguer para usufruirmos dele, ou melhor, para a Oligarquia nos espiar, vigiar, controlando cada passo que damos, cada forum que acedemos, cada opinião que lá deixamos, é que para além da chave criptográfica não estar na nossa posse ao contrário do que até hoje se passa, em que nos é atribuido um IP a cada autenticação no nosso ISP, no caso dos dispositivos, computadores, telemóveis etc com TPM, cada um destes equipamentos é único.
  • Como é único permite mais umas quantas invasões da nossa esfera privada, por certo chegará o dia onde deixará de existir dinheiro físico, tudo será movido a cartões, bits e bytes como tal certamente a Oligarquia obrigará ao registo de quem adquire o quê; ou seja, ao adquirir-mos um computador ficará registado na gigantesca base de dados da NOM que a pessoa X adquiriu o PC Y cujo TPM é Z.
  • Com essa pequena operação os senhores do mundo poderão saber tudo sobre si, quando liga o computador, que programas tem instalados, se tentou ou não instalar outros que o TPM, vulgo as grandes corporações, não permitem (Sistemas Operativos Livres e outras aplicações), se tentou ouvir, ver algo que a NOM considera ‘pirataria’, etc.
  • Mas ao utilizar um dispositivo com uma identificação única e cuja identidade do seu comprador está guardada na Base de Dados associada ao hash criptográfico do TPM, a Oligarquia poderá deter ainda um poder maior, poderá simplesmente recusar-lhe o acesso à rede. Você é vista(o) como alguém que tem opiniões criticas (liberdade de expressão e de oposição) contra os grandes timoneiros, sabem disso porque têm acesso a tudo quanto faz na Rede, logo estando em Rede o seu chip TPM, identificador único é colocado numa lista de indesejáveis e é-lhe barrado o acesso, terá sorte se não for considerado terrorista e feito desaparecer da face do planeta (tipo enemy combatant)
  • Outro direito que lhe é negado usando um conjunto de DRM+TPM é por exemplo manipular um ficheiro, seja para o ouvir, ver, modificar etc, isto é possível através da Sealed storage. Os ficheiros estão encriptados com a Endorsement key, só conseguirá aceder a eles desde que o software que os permita abrir esteja a respeitar a ligação que tem com a chave do TPM. Por aqui perceberão que enviar um ficheiro com determinada informação para o Wikileaks se torna impossível, é que eles não terão acesso à chave TPM que o encriptou logo não podem ver o conteúdo do ficheiro. Isto tanto é válido para um ficheiro ‘secreto’ enviado para o Wikileaks como para um simples ficheiro de música que gostaria de partilhar com alguém.
  • Ou ainda um exemplo de um disco que não aceite gravação de dados que não sejam assinados por uma chave validada pela Endorsement Key que está fora do controlo do dono do computador.

Com tudo isto resta-nos esperar pelos próximos ataques False Flag, até porque o iPatriot já está pronto para entrar em vigor.



FACEBOOK TRUSTED COMPUTING AND GOOGLE

Para saber mais:

Schneier on Security: Trusted Computing Best Practices

That sounds good, but what does “security” mean in that context? Security of the user against malicious code? Security of big media against people copying music and videos? Security of software vendors against competition? The big problem with TCG technology is that it can be used to further all three of these “security” goals, and this document is where “security” should be better defined.


Trusted Computing – Wikipedia, the free encyclopedia

TC is controversial because it is technically possible not just to secure the hardware for its owner, but also to secure against its owner as well. Such controversy has led opponents of trusted computing, such as Richard Stallman, to refer to it instead as treacherous computing, even to the point where some scholarly articles have begun to place scare quotes around “trusted computing”.

Trusted Platform Module – Wikipedia, the free encyclopedia

In computing, Trusted Platform Module (TPM) is both the name of a published specification detailing a secure cryptoprocessor that can store cryptographic keys that protect information, as well as the general name of implementations of that specification, often called the “TPM chip” or “TPM Security Device”

Você pode confiar em seu computador? – FÓRUM PCs

No passado, estes eram incidentes isolados. “Computação Confiável” irá torná-los amplamente disseminados. “Computação traiçoeira (Treacherous computing)” é um nome mais apropriado, porque o plano é feito de forma a garantir que o seu computador irá desobedecê-lo sistematicamente. De fato, foi projetado de modo a impedir o seu computador de funcionar como um computador de uso geral. Cada operação irá requerar permissão explícita.

A idéia técnica subjacente à computação traiçoeira é que o computador incluirá um dispositivo de criptografia e assinatura digital, e as chaves são mantidas em segredo. Programas proprietários irão usar este dispositivo para controlar quais outros programas você pode rodar, quais documentos ou dados você pode acessar, e para quais programas você pode passá-los. Estes programas irão baixar continuamente da internet novas regras de autorização, e impor estas regras automaticamente a você. Se você não permitir que seu computador obtenha estas novas regras periodicamente a partir da Internet, alguns recursos irão automaticamente deixar de funcionar.

Can You Trust Your Computer? – GNU Project – Free Software Foundation (FSF)

Making sharing impossible is bad enough, but it gets worse. There are plans to use the same facility for email and documents—resulting in email that disappears in two weeks, or documents that can only be read on the computers in one company.

Imagine if you get an email from your boss telling you to do something that you think is risky; a month later, when it backfires, you can’t use the email to show that the decision was not yours. “Getting it in writing” doesn’t protect you when the order is written in disappearing ink.

The Stealth Anti-Piracy Chip That Is Neither Stealth Nor Anti-Piracy | Techdirt

It’s not clear why this is getting much buzz, because as others have pointed out it’s not new or even noteworthy. It’s the same silly scheme that Microsoft, Intel and AMD have been working on for more than half a decade, though it’s gone through some name changes in an attempt to make it less controversial.

Confiança computadores – Trusted Computing – Seu computador confia em você?

O grupo de Trusted Computing (TCG) é uma aliança entre Microsoft, Intel, IBM, HP e AMD que tenta promover um padrão para um PC ‘mais seguro’. Mas a definição deles de ‘segurança’ é controversa, computadores construídos de acordo com sua especificação serão mais seguros do ponto de vista dos criadores de software e a indústria de conteúdo, mas serão menos seguros do ponto de vista dos donos. Na verdade, a especificação TCG irá transferir o controle total de seu PC para quem tenha escrito o software que ele estaria executando. (Sim, muito mais do que já acontece no presente).

Trusted Computing FAQ TC / TCG / LaGrande / NGSCB / Longhorn / Palladium

TC provides a computing platform on which you can’t tamper with the application software, and where these applications can communicate securely with their authors and with each other. The original motivation was digital rights management (DRM): Disney will be able to sell you DVDs that will decrypt and run on a TC platform, but which you won’t be able to copy. The music industry will be able to sell you music downloads that you won’t be able to swap. They will be able to sell you CDs that you’ll only be able to play three times, or only on your birthday. All sorts of new marketing possibilities will open up.

Software Livre no SAPO » Blog Archive » DRM: Confia no seu computador?

Aqueles que são contra o Software Livre chamam a esta tecnologia “Trusted” Computing, mas quem recebe confiança não é o dono do computador, a realidade é bem mais negra: quem recebe confiança é uma terceira parte que pode ter interesses diametralmente opostos ao do dono do computador.

Security Chip That Does Encryption in PCs Hacked – ABC News

The new attack discovered by Christopher Tarnovsky is difficult to pull off, partly because it requires physical access to a computer. But laptops and smart phones get lost and stolen all the time. And the data that the most dangerous computer criminals would seek likely would be worth the expense of an elaborate espionage operation.

DefectiveByDesign.org | The Campaign to Eliminate DRM

What is DRM? Digital Restrictions Management. DefectiveByDesign.org is a broad-based anti-DRM campaign that is targeting Big Media, unhelpful manufacturers and DRM distributors.

Onda crescente de censura na Internet

Os êxitos recentes nos combates contra o controle da Internet serão suficientes para impedir a tirania?

O foco das atenções voltou-se para a censura da Internet esta semana, quando artigos foram publicados simultaneamente no Time Magazine e no The New York Times, defendendo a obrigatoriedade de licença para operar sítios na Internet. Esses artigos foram devidamente criticados por Paul Joseph Watson como uma tentativa coxa de apoiar o monopólio da mídia hoje em desintegração em face de uma blogosfera que está rapidamente a substituí-lo.

OLS: Linux and trusted computing [LWN.net]

The term “trusted computing” tends to elicit a suspicious response in the free software community. It has come to be associated with digital restrictions management schemes, locked-down systems, and similar, untrustworthy mechanisms. At the 2005 Ottawa Linux Symposium, Emily Ratliff and Tom Lendacky discussed the state of trusted computing support for Linux and tried to show how this technology can be a good thing to have. Trusted computing does not have to be evil.

At the lowest level, trusted computing is implemented by a small chip called the “trusted platform module” or TPM. The Linux kernel has had driver support for TPM chips since 2.6.12; a couple of chips are supported now, with drivers for others in the works. Many systems – laptops in particular – are currently equipped with TPM chips, so this is a technology which Linux users can play with today.

Preliminary Analysis of the Officially Released ACTA Text | Electronic Frontier Foundation

As we have previously noted ACTA would make the US DMCA TPM legal framework the de facto global norm, effectively displacing the more open-ended language finally adopted in the 1996 WIPO Copyright Treaty and Performances and Phonograms Treaty. The US TPM regime contains at least three characteristics that are broader than what is required to implement the WIPO Treaty obligations. First, it creates an absolute ban on TPM circumvention, even where done for lawful non-copyright infringing purposes. Second, it requires legal protection for TPMs that control access (and not just use) of technologically protected copyrighted works. (To which Japan strenuously objected in the leaked 18 January 2010 text.) Third, it includes a broad prohibition on the manufacture and distribution of circumvention devices. Fourth, it requires criminal penalties for flouting the TPM circumvention bans,while the WIPO treaties are silent on this point.

D.R.M. – Informação e Sensibilização sobre os ditos Digital Rights Management

Para quem não sabe, DRM (acrónimo para “Digital Rights Management”, Gestor Digital de Direitos) é um conjunto de várias tecnologias que limitam o uso de certos produtos digitais.

Schneier on Security: Anonymity and the Internet

Implementing an Internet without anonymity is very difficult, and causes its own problems. In order to have perfect attribution, we’d need agencies — real-world organizations — to provide Internet identity credentials based on other identification systems: passports, national identity cards, driver’s licenses, whatever. Sloppier identification systems, based on things such as credit cards, are simply too easy to subvert. We have nothing that comes close to this global identification infrastructure. Moreover, centralizing information like this actually hurts security because it makes identity theft that much more profitable a crime.

Powered by ScribeFire.

About these ads

13 Respostas

  1. Que post tão comprido, Vigia. Li-o todo.

    Tenho a sensação que esta guerra vai ser perdida pelos produtores de software. Até eu sei criar um programa de encriptação.

    Abraço

    • boas Diogo,

      peço desculpa de só agora responder.

      é mais uma vez foi longo, concordo que pode ser contra-produtivo mas não há tempo para mais :(

      o problema não está no uso da encriptação, que aliás deve ser estimulado, usado ao máximo; o problema fundamental reside no facto desta tecnologia TPM tal como a DRM retirar a todos nós o controlo sobre as chaves.

      ab

  2. A qualidade das tuas publicações é impressionante. Obrigado e continua com o bom trabalho!

    • boas Tiago, obrigado pelo elogio que confesso não é merecido, não tenho muito jeito para escritor, apenas tento dentro dos meus limites fazer as pessoas pensarem, como sempre digo, não acreditem no que escrevo, investiguem vós mesmos.

      ab

  3. “…profetizar o fim de Portugal independente.”

    http://www.areamilitar.net/opiniao/Opiniao.aspx?NrNot=105

  4. Documentário: Guerra Climática – Isso é Impossível

  5. “A Grande Loja Legal de Portugal, foi criada em 1996, depois do escândalo da Universidade Moderna.”…

    http://www.maconariaportugal.com/maconaria-em-portugal

  6. VIva Vigia! (diz lá isto muito depressa :-) , era engraçado uma pessoa com um nome assim :- ) ).

    https://secure.wikimedia.org/wikipedia/en/wiki/Free_hardware

    http://www.innovationstage.com/openoem/

    http://fhf.it/

    http://www.kareldonk.com/karel/2006/09/13/p2p-is-the-future-of-the-internet/

    http://www.gnu.org/software/gnunet/

    Espero não parecer demasiado optimista (nao sou), mas por exemplo o hardware livre parece-me até uma fantástica oportunidade de negócio nomeada/ estando as pessoas informadas do perigo que é usar do outro. Acho que é uma oportunidade para muitas PMEs darem as mãos e trabalharem em conjunto. Talvez mais PEs do que MEs, porquanto mais “espectáculo” mais hipótese de tentáculo…

    É claro que isto ainda vai levar tempo mas tenhamos alguma esperança…

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 68 outros seguidores

%d bloggers like this: