Versionista, um _diff_ web-based – Ou a ferramenta que McCain usa contra Obama

O site da campanha do Republicano McCain na sua “guerra” contra Obama, apresentou à dias uma comparação lado a lado das alterações sofridas pelo site de Obama, relativamente às suas posições sobre a guerra do Iraque.

É uma espécie de _diff_ mas web-based, o Versionista.

Segundo a entrevista da wired ao criador do Versionista, este teve a ideia de desenvolver o software devido às suas experiências com a Wikipedia.

Mais informação no blog da wired.

What’s the diff? McCain attacks Obama with Versionista

The old version:

Obama will immediately begin to remove our troops from Iraq. He will remove one to two combat brigades each month, and have all of our combat brigades out of Iraq within 16 months.

The new version:

Immediately upon taking office, Obama will give his Secretary of Defense and military commanders a new mission in Iraq: ending the war. The removal of our troops will be responsible and phased, directed by military commanders on the ground and done in consultation with the Iraqi government. Military experts believe we can safely redeploy combat brigades from Iraq at a pace of 1 to 2 brigades a month that would remove them in 16 months.

Os dois ÚNICOS candidatos de MUDANÇA às presidenciais dos EUA

Não. Não são nem Mcain nem Obama, mas sim a congressista Democrata, Cynthia McKinney e o congressista Republicano, Ron Paul.

Como escreveu Edward Dowling, Os dois maiores obstáculos para a democracia nos Estados Unidos são: primeiro, a ilusão generalizada entre os pobres de que temos uma democracia, e segundo, o terror crónico entre os ricos de que tenhamos uma”.

Infelizmente as hipóteses de chegarem à presidência são baixíssimas, muito por causa não das ideias que defendem, mas por elas não chegarem aos votantes, como Michael Parenti afirma In a capitalist “democracy” like the United States, the corporate news media faithfully reflect the dominant class ideology both in their reportage and commentary. At the same time, these media leave the impression that they are free and independent,
capable of balanced coverage and objective commentary. How they achieve these seemingly contradictory but legitimating goals is a matter worthy of study.

(…)Some critics complain that the press is sensationalistic and invasive. In fact, it is more often muted and evasive. More insidious than the sensationalistic hype is the artful avoidance. Truly sensational stories (as opposed to sensationalistic) are downplayed or avoided outright. Sometimes the suppression includes not just vital details but the entire story itself, even ones of major import.

Algumas informações sobre os candidatos:

Cynthia McKinney

Cynthia McKinney – Wikipedia, the free encyclopedia

Cynthia Ann McKinney (born March 17, 1955) is a former United States Congresswoman and the 2008 Green Party nominee for President of the United States. McKinney served as a Democrat in the U.S. House of Representatives from 1993 to 2003, and from 2005 to 2007, representing Georgia’s 4th Congressional District.

Um documentário sobre a candidata Cynthia McKinney, bem como o seu site de campanha:

American Blackout – Wikipedia, the free encyclopedia

American Blackout (2006) is a documentary film directed by Ian Inaba. It premiered at the 2006 Sundance Film Festival. The film chronicles the 2002 defeat, and 2004 reelection, of Congresswoman Cynthia McKinney to the U.S. House of Representatives; it also discusses issues surrounding alleged voter disenfranchisement and the use of voting machines in both the 2000 and 2004 presidential elections.

The Green Party’s McKinney on the ‘Spoiler’ Question | Newsweek Project Green | Newsweek.com

If you were to be elected, what would be item number one on the McKinney agenda?
Is it OK if I do several things simultaneously [laughs]? First of all, we have to instruct the Joint Chiefs of Staff to draw up an orderly withdrawal process for our troops in Iraq and Afghanistan. We would also begin work immediately on a budget to submit to Congress that satisfies human needs and doesn’t reflect corporate greed as the current budget does. I would also remind the members of Congress swept into office with me as the New Broom Coalition that we could initiate impeachment proceedings. Also, I would make public the papers pertaining to certain tragedies in the life of our country, like the JKF assassination, Martin Luther King Jr., and the 9/11 Truth Movement-I would release everything the Bush administration knew about September 11. One more thing I would do is begin the process of putting into place a Department of Peace. It would be wonderful to rename the Department of State as the Department of Peace and have our ambassadors go around the world with a mission…to begin their engagement in the world based on human rights and peace.

Ron Paul

Site da campanha

Ron Paul – Wikipedia, the free encyclopedia

Ronald Ernest Paul (born August 20, 1935) is a Republican United States Congressman from Lake Jackson, Texas, a physician, a bestselling author, and a former 2008 U.S. presidential candidate.

Ron Paul – Presidential Election of 2008 – Elections – Candidates – Republicans – New York Times

The Antiwar, Anti-Abortion, Anti-Drug-Enforcement-Administration, Anti-Medicare Candidacy of Dr. Ron Paul

Ron Paul – Presidential Election of 2008 – Elections – Candidates – Republicans – New York Times

Alone among Republican candidates for the presidency, Paul has always opposed the Iraq war. He blames “a dozen or two neocons who got control of our foreign policy,” chief among them Vice President Dick Cheney and the former Bush advisers Paul Wolfowitz and Richard Perle, for the debacle. On the assumption that a bad situation could get worse if the war spreads into Iran, he has a simple plan. It is: “Just leave.” During a May debate in South Carolina, he suggested the 9/11 attacks could be attributed to United States policy. “Have you ever read about the reasons they attacked us?” he asked, referring to one of Osama bin Laden’s communiqués. “They attack us because we’ve been over there. We’ve been bombing Iraq for 10 years.” Rudolph Giuliani reacted by demanding a retraction, drawing gales of applause from the audience. But the incident helped Paul too. Overnight, he became the country’s most conspicuous antiwar Republican.

Ron Paul – Presidential Election of 2008 – Elections – Candidates – Republicans – New York Times

Paul’s opposition to the war in Iraq did not come out of nowhere. He was against the first gulf war, the war in Kosovo and the Iraq Liberation Act of 1998, which he called a “declaration of virtual war.” Although he voted after Sept. 11 to approve the use of force in Afghanistan and spend $40 billion in emergency appropriations, he has sounded less thrilled with those votes as time has passed. “I voted for the authority and the money,” he now says. “I thought it was misused.”

Ron Paul – Presidential Election of 2008 – Elections – Candidates – Republicans – New York Times

“I was annoyed by the evangelicals’ being so supportive of pre-emptive war, which seems to contradict everything that I was taught as a Christian,” he recalls. “The religion is based on somebody who’s referred to as the Prince of Peace.”

Ron Paul – Presidential Election of 2008 – Elections – Candidates – Republicans – New York Times

For Paul, everything comes back to money, including Iraq. “No matter how much you love the empire,” he says, “it’s unaffordable.” Wars are expensive, and there has been a tendency throughout history to pay for them by borrowing. A day of reckoning always comes, says Paul, and one will come for us. Speaking this spring before the libertarian Future of Freedom Foundation in Reston, Va., he warned of a dollar crisis. “That’s usually the way empires end,” he said. “It wasn’t us forcing the Soviets to build missiles that brought them down. It was the fact that socialism doesn’t work. Our system doesn’t work much better.”


Obama é um Falcão, que não restem dúvidas disso.

Na melhor tradição, Obama é um falcão

(…)Edward Dowling escreveu: “Os dois maiores obstáculos para a democracia nos Estados Unidos são: primeiro, a ilusão generalizada entre os pobres de que temos uma democracia, e segundo, o terror crónico entre os ricos de que tenhamos uma”.

Mais uma vez o jornalista John Pilger através de um artigo claro e curto, chama-nos para a realidade crua.

Obama é um Falcão.

Provavelmente até pior que Bush Jr, infelizmente mais uma vez os media estão a construir uma imagem virtual do candidato à presidência dos EUA, e que, como sabemos, tem repercussões por todo o mundo.

Na pele de pomba que nos é apresentado, tal como foi Harry Truman, o liberal democrata dito ser um humilde homem do povo, que avançou para mostrar quão duro era arrasando duas cidades com a bomba atómica.“, estará um futuro, senão, já presente, FALCÃO.

Mas vamos ao concreto, porque afirma John Pilger que Obama é um Falcão?
A resposta encontra-se no artigo “Na melhor tradição, Obama é um falcão”, deixo pois aqui algumas citações do artigo que explicam a tese de Pilger.

Na melhor tradição, Obama é um falcão

Por exemplo, desde que comparei Obama com Robert Kennedy nestas páginas, ele fez duas importantes declarações, mas não deixaram que as suas implicações atrapalhassem as celebrações. A primeira foi na conferência do American Israel Public Affairs Committee (Aipac), o lobby sionista, o qual, como destacou Ian Williams, “conseguirá que você seja acusado de anti-semitismo mesmo que tenha citado o sítio web da mesma para mostrar do seu poder”. Obama já efectuou a sua genuflexão, mas dia 4 de Junho foi mais além. Ele prometeu apoiar uma “Jerusalém não dividida” como capital de Israel. Nem um único governo sobre a terra apoia a anexação israelense de toda a Jerusalém, incluindo o regime Bush, o qual reconhece a resolução da ONU que designa Jerusalém como cidade internacional.

Na melhor tradição, Obama é um falcão

A sua segunda declaração, amplamente ignorada, foi feita em Miami a 23 de Maio. Ao falar à comunidade cubana expatriada – a qual ao longo de anos produziu dedicadamente terroristas, assassinos e traficantes de drogas para administrações estado-unidenses – Obama prometeu continuar o feroz embargo a Cuba que ano após ano tem sido declarado ilegal pelas Nações Unidas.

Mais uma vez, Obama foi além de Bush. Ele disse que os Estados Unidos haviam “perdido a América Latina”. Descreveu os governos democraticamente eleitos na Venezuela, Bolívia e Nicarágua como “vácuos” a serem preenchidos. Levantou a insensatez de uma influência iraniana na América Latina e apoiou “o direito da Colômbia de atacar terroristas que procuram lugares seguros além das suas fronteiras”. Traduzido, isto significa o “direito” de um regime, cujo presidente e políticos principais estão ligados a esquadrões da morte, invadir seus vizinhos no interesse de Washington. Ele também apoiou a chamada Iniciativa Merida, a qual a Amnistia Internacional e outros condenaram como sendo os EUA a levar a “solução colombiana” para o México. E não parou aqui. “Devemos pressionar mais o Sul também”, disse ele. Nem mesmo Bush disse isso.

John Pilger termina o artigo, frisando que “Por muito que a cor da sua pele influencie tanto racistas como
apoiantes, isso de qualquer forma é irrelevante para o jogo da grande
potência. O “momento verdadeiramente excitante e histórico na história
do EUA” só ocorrerá quando o próprio jogo for contestado.”

Não estando no artigo mas também por diversas vezes afirmado pelo próprio durante a campanha, Obama pretende manter as tropas no Iraque e no Afeganistão e não lhe repugna própriamente uma intervenção militar no Irão.
Mais palavras para quê, quem mais uma vez espera que algo de importante saia das próximas eleições norte-americanas, está a enganar-se e a construir mais uma vez uma realidade virtual que nada tem a ver com os factos e com a realidade efectiva em que vivemos, infelizmente os maiores criadores dessa pseudo-realidade são os senhores e senhoras da suposta esquerda e centro direita que pululam pelos media portugueses e na AR.

Ainda existem Republicanos no Congresso dos EUA que pensam pela própria cabeça

A senadora Karen S. Johnson, do congresso dos EUA, neste dia 10 de Junho de 2008, Dia de Portugal e das Comunidades, prepara-se para fazer um discurso que será de alguma forma histórico, uma vez que irá fazer afirmações que muito poucos ousam sequer pensar, especialmente os políticos e agentes dos media.

A Senadora Johnson, irá discursar sobre o falhanço da administração norte-americana, na averiguação dos atentados do 11 de Setembro de 2001 e sobre o total falhanço da defesa naquele dia.

Segundo ela, já passaram mais de 7 anos sem que uma investigação digna desse nome tivesse sido levada a cabo, num momento que cada vez mais FACTOS contradizem a “verdade oficial”, destruindo por completo o estudo da Comissão criada para o efeito, Johnson acha que chegou o momento de se exigir da administração uma investigação credível dos factos ocorridos naquele fatídico dia.

Mais de $340M são gastos por dia a alimentar guerras, como as do Afeganistão e Iraque, tendo por base uma história que de verdade apenas tem a demolição das torres, de uma fachada do Pentágono e da queda de 4 aviões, bem como milhares de vítimas inocentes.

Ambas as guerras têm a sua génese nos atentados, ou melhor, na versão dos acontecimentos que nos foram inculcados pelos media, fantoches da administração norte-americana e não só.

Ambas as guerras são ilegais, na do Afeganistão começaram os seus preparativos meses antes dos ataques, o que nos leva a supôr duas coisas, ou a administração sabia que iam ocorrer (o que lhes daria a desculpa mais credível), ou de qualquer forma iriam invadir o Afeganistão, sendo que a razão seria a defesa do famoso pipeline da UNOCAL.

A invasão do Afeganistão foi levada a cabo pela NATO, e aí se levanta mais uma dúvida, que provas foram apresentadas aos diversos países que compôem a NATO?
Esta questão é extremamente pertinente, uma vez que a NATO só pode intervir se um estado tiver sido atacado do exterior, cada vez mais se vai concluindo com base nas diversas investigações que o 11Set2001 teve a sua génese no interior dos EUA, ou pelo menos com a cumplicidade de altos cargos das Forças Armadas, Indústria do Armamento e de responsáveis da Administração.

“The European NATO partners were confronted with the need to evaluate the US version
of 9/11 in a very direct way: immediately after 9/11, the Bush regime demanded the
activation of Article Five of the North Atlantic Pact
, calling upon member states to assist
the United States in warding off an attack from abroad. The US, however, had never
offered any proof that the 9/11 attacks had indeed come from outside of its own borders.

Under the shock of the 9/11 events, and fearing the retribution of a crazed regime that
was announcing its determination to “end states,” the European allies approved the
resolution unanimously, even though no proof had been provided. One who objected to
this procedure was Helmut Schmidt, the former Chancellor and Defense Minister of
Germany for the Social Democratic Party, Several months after the vote, Schmidt
reiterated that the European acquiescence had been a mistake. “For that article to be put
into action, proof had to be delivered that the Sept. 11 terror attacks came from abroad.
That proof has still not been provided,”
Schmidt. (N-TV, December 10, 2001; EIR,
December 13, 2001)”

FONTE: 9/11 SYNTHETIC TERRORISM MADE IN USA, By Webster Griffin Tarpley

No caso da invasão do Iraque, mais uma vez a mentira foi rainha, a desculpa desta vez para além da mentira de que o ditador do Iraque teria ligações com a Al-Qaeda, foi também a da existência de WMD -armas de detruição massiva-, que mais uma vez se veio a provar totalmente falsa, o General Collin Powell mentiu descaradamente e sem qualquer pudor perante as Nações Unidas.
Mais uma vez não ouve uma única prova concreta que justificasse a invasão de um país soberano, aliás como um dos senhores da Cimeira das Lajes afirma.

Iraque/5 anos depois: Durão Barroso, o anfitrião da Cimeira das Lajes – RTP Notícias

Três anos depois, Durão Barroso declarou ter agido com base em informações que “não foram confirmadas: que havia armas de destruição maciça” no Iraque.

Iraque/5 anos depois: Durão Barroso, o anfitrião da Cimeira das Lajes – RTP Notícias

De acordo com o New York Times, Bush informou Blair em Janeiro de 2003 que estava decidido a invadir o Iraque mesmo sem uma resolução da ONU e sem que alguma arma de destruição maciça tivesse sido encontrada.

O jornal cita um memorando secreto britânico sobre um encontro dos dois políticos a 31 de Janeiro na Casa Branca, revelando que Bush e Blair constataram que nenhuma arma de destruição maciça tinha sido encontrada no Iraque pelos inspectores da ONU e que o presidente norte-americano referiu a possibilidade de provocar um confronto sacrificando, por exemplo, um avião de vigilância norte-americano pintado com as cores da ONU.

Como se tanta destruição não bastasse, e continuando a fantasia da “guerra contra o terror”, que não passa de mais uma mentira, o mundo dos media começa a lavar a cabeça ao povinho para a próxima guerra, a destruição de mais um estado soberano, desta vez possívelmente com o recurso a armas nucleares tácticas.

Planned US Israeli Attack on Iran: Will there be a War against Iran?

The media has failed to cover the history of US war preparations directed against Iran. News coverage of US sponsored war preparations in relation to Iran started to surface in early 2007 in scanty press reports.

Although confirmed by official military documents and reports, public opinion has largely been kept in the dark and misinformed on these war preparations.

A war on Iran has been envisaged since the mid-1990s as part of a strategic “sequencing” of theater operations. During the Clinton administration, US Central Command (USCENTCOM) had formulated “in war theater plans” to invade first Iraq and then Iran:

“The broad national security interests and objectives expressed in the President’s National Security Strategy (NSS) and the Chairman’s National Military Strategy (NMS) form the foundation of the United States Central Command’s theater strategy. The NSS directs implementation of a strategy of dual containment of the rogue states of Iraq and Iran as long as those states pose a threat to U.S. interests, to other states in the region, and to their own citizens. Dual containment is designed to maintain the balance of power in the region without depending on either Iraq or Iran. USCENTCOM’s theater strategy is interest-based and threat-focused. The purpose of U.S. engagement, as espoused in the NSS, is to protect the United States’ vital interest in the region – uninterrupted, secure U.S./Allied access to Gulf oil.”

(USCENTCOM, http://www.milnet.com/milnet/pentagon/centcom/chap1/stratgic.htm#USPolicy , emphasis added)

Citações

“Where is the justice of political power if it executes the murderer and
jails the plunderer, and then itself marches upon neighboring lands, killing
thousands and pillaging the very hills?”: Kahlil Gibran

****

“Conquered states that have been accustomed to liberty and the
government of their own laws can be held by the conqueror in three different
ways. The first is to ruin them; the second, for the conqueror to go and reside
there in person; and the third is to allow them to continue to live under their
own laws, subject to a regular tribute, and to create in them a government of a
few, who will keep the country friendly to the conqueror”: Niccolo
Machiavelli, The Prince

****

“An error does not become truth by reason of multiplied propagation,
nor does truth become error because nobody sees it”: Mohandas
Gandhi

****

“In the democracy of the dead all men at last are equal. There is
neither rank nor station nor prerogative in the republic of the grave”:
John James Ingalls

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 67 outros seguidores