ACTA news: O cerco a uma rede livre, e não só, vai-se apertando

Eis alguns links para notícias importantes sobre o tratado ACTA «Anti-Counterfeiting Trade Agreement» que vem sido cozinhado à porta fechada pelos senhores deste mundo, muito especialmente pelos vastos interesses de meia dúzia, sempre com a desculpa da ‘Segurança Nacional’.

“We are rapidly entering the age of no privacy, where everyone is open to surveillance at all times; where there are no secrets from government.”
William Orville Douglas

Um dos sites internacionais com mais interesse sobre este tema, o blog de Michael Geist, indica que para além do cozinhado ACTA, o Canadá está a negociar com a UE, também à porta fechada e no meio de imenso secretismo, um tratado de comércio que contempla num dos seus capítulos os direitos de autor.

Os canadianos são uma das vozes que mais se ouvem relativamente a estas questões, uma vez que os vizinhos EUA passam a vida a intrometerem-se nas suas políticas tentando sempre contaminar a legislação canadiana com o que de pior legislam nos EUA, como que se de um virús se tratasse.

Por isso mesmo sempre que se discute tratados deste tipo, vem sempre à baila uma das piores leis que os EUA possuem, trata-se da DMCA, que criminaliza a produção e dissiminação de tecnologia que permita contornar outro aborto que atenta contra as nossas liberdades, o DRM «Digital rights management», que na realidade deveria ser designado por Digital RESTRICTIONS management exactamente como a FSF «Free Software Foundation» lhe chama.

“Ninguém é mais escravizado do que aqueles que erroneamente acreditam ser LIVRES”
Johann Wolfgang von Goethe

“They who would give up an essential liberty for temporary security, deserve neither liberty or security.”
Benjamin Franklin

“If one would give me six lines written by the hand of the most honest man, I would find something in them to have him hanged.”
Cardinal Richelieu

Para perceberem como é uma lei construída em circulo, ou seja tipo pescadinha com o rabo na boca, tenham em conta o seguinte, na lei portuguesa é contemplada a possibilidade legal de qualquer um de nós após adquirir um CD, DVD, Blu-Ray poder fazer um backup desse mesmo produto, podendo assim ouvi-lo em qualquer outro dispositivo, como um leitor portátil, rádio do carro, HI-FI etc, o problema surge quando essa vossa aquisição, por exemplo de um DVD, está protegido por DRM, apesar de ser legal qualquer um de nós fazer um backup desse mesmo DVD, caso esteja em vigor uma lei tipo a DMCA, não podemos contornar o DRM por forma a exercer-mos o nosso direito de efectuar um backup.

E como hoje um artigo da ars technica indica, a DMCA nos EUA contempla tudo e mais alguma coisa, até uma porta eléctrica de garagem foi abrangida por ela.

Esta lei é tão absurda que no fundo acaba com o conceito de propriedade, uma vez que a quando da aquisição de um determinado produto, incluindo uma porta de garagem, no fundo apenas estamos a adquirir uma licença para a usar, nunca na realidade a possuindo.

E é esse aborto que os EUA querem espalhar pelo mundo fora através do ACTA e do WIPO, mais uma vez uma agência das Nações Unidas.

When combined with ACTA, the two agreements would render Canadian copyright law virtually unrecognizable as Canada would be required to undertake a significant rewrite of its law. The notion of a “made-in-Canada” approach – already under threat from ACTA – would be lost entirely, replaced by a made-in-Washington-and-Brussels law.

What are some of the EU’s demands?

  • Copyright term extension. The current term of copyright law in Canada is life of the author plus 50 years.  This is consistent with the term requirements under the Berne Convention.  The EU is demanding that Canada add an additional 20 years by making the term life plus 70 years.
  • WIPO ratification. The EU is demanding that Canada respect the rights and obligations under the WIPO Internet treaties.  The EU only formally ratified those treaties this week.
  • Anti-circumvention provisions. The EU is demanding that Canada implement anti-circumvention provisions that include a ban on the distribution of circumvention devices.  There is no such requirement in the WIPO Internet treaties.
  • ISP Liability provisions. The EU is demanding statutory provisions on ISP liability where they act as mere conduits, cache content, or host content.  ISPs would qualify for a statutory safe harbour in appropriate circumstances.  There is no three-strikes and you’re out language (which presumably originates with the U.S.).
  • Enforcement provisions. The EU is demanding that Canada establish a host of new enforcement provisions including measures to preserve evidence, ordering alleged infringers to disclose information on a wide range of issue, mandate disclosure of banking information in commercial infringement cases, allow for injunctive relief, and destruction of goods.  There is also a full section on new border measures requirements.
  • Resale rights. The EU is demanding that Canada implement a new resale right that would provide artists with a royalty based on any resales of their works (subsequent to the first sale).
  • Making available or distribution rights. The EU is demanding that Canada implement a distribution or making available right to copyright owners.

[via Michael Geist]

Sobre o tema ler e ver este vídeo de Michael Geist.

The Ministry of Economic Development still refuses to reveal the draft text of the Anti-Counterfeiting Trade Agreement (ACTA) or fully define the position that New Zealand is taking in the negotiations.

Ministry of Economic Development (MED) spokesperson George Wardle, at a briefing in Wellington today, said government could not release the draft text of the treaty as all parties to the negotiation had agreed to keep it confidential. Computerworld sought access to the briefing, but media were excluded.

[via computerworld.nz]

Na Nova Zelândia parece que também se preparam para implementar o atentado à liberdade e privacidade que o senhor Sarkozy cozinhou, a HADOPI.

The Government favours a three-notice procedure to deal with illegal copying of material over computer networks, Commerce Minister Simon Power said today.Mr Power announced the release of a Cabinet Paper that outlines the basis of new legislation, which will be introduced to Parliament early next year. This follows a review of section 92A of the Copyright Act 1994.

[via scoop.nz]

E na Australia prepara-se uma nova blacklist que os ISP’s serão obrigados a implementar, não permitindo que os seus clientes/utilizadores possam aceder a sites como o Wikileaks que denuncia quer estas aldrabices todas que se vêm perpretando nas nossas costas, quer outras como os projectos de vigilância Indect, Adabts e claro a corrupção e a falta de espinha dos media tradicionais para nos informar de tudo isto.

Wikileaks… could become as important a journalistic tool as the Freedom of Information Act.

— Time Magazine

The Australian Government today announced further details of its approach to improve safety on the internet for Australian families.

The Government’s approach to cyber-safety has been informed by the Government’s trial of internet filtering and extensive industry feedback about the most appropriate way to improve safety online.

(…)

As you will notice, the Australian government justifies the moves by employing that tired old fallback of “protecting families” online. This is a kind of corollary to Godwin’s law: as soon as “the children” are invoked by politicians in the context of the Internet, you know that they don’t have any substantive arguments to support their arguments.

Wikileaks has shown itself a fearless opponent of censorship, and it will probably be one of the first casualties of Australia’s censorship system. Moreover, Australia is certainly not alone is wishing to gag that awkward site with its highly embarrassing revelations: there have been requests in the US to “probe” Wikileaks, and I’m sure that quite a few nominally “liberal” Western governments would love to do something rather more permanent than just probing it.

[via Glyn Moody]

Claro que todas estas medidas são sempre a pensar no ‘bem’ de todos nós, exactamente como descreve George Orwell na sua distopia “1984”, ou indo directamente à realidade histórica, como diriam os dirigentes da Alemanha Nazi.

All propaganda has to be popular and has to accommodate itself to the comprehension of the least intelligent of those whom it seeks to reach.
Adolf Hitler

Com tudo isto que os supostos governos democráticos vão fazendo, que legitimidade lhes assiste para criticarem países como a China e a sua ‘chinese firewall’ ou o Irão que faz o mesmo usando tecnologia europeia?

=-=-=-=-=
Powered by Bilbo Blogger

4 Respostas

  1. […] em vigor da Constituição Europeia e dentro de muito pouco tempo com a entrada em vigor do Tratado ACTA, não esperem ter acesso a este tipo de denuncias a que hoje ainda podemos assistir.Não faltará […]

  2. […] em vigor da Constituição Europeia e dentro de muito pouco tempo com a entrada em vigor do Tratado ACTA, não esperem ter acesso a este tipo de denuncias a que hoje ainda podemos assistir.Não faltará […]

  3. […] na realidade subverte leis, as cria para mais facilmente cometer crimes ou como se percebe com o DRM e DMCA, para retirar protecções e direitos aos cidadãos, colocando-os apenas na mão de meia […]

  4. […] exemplos, Adabts, cityware, samurai, Indect, ACTA, bases de dados de ADN, hadopi, blacklists de sites, drones para uso civil, chips nas matriculas, cctv’s por tudo quanto é […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: