FMI: Preparando o zé povinho para engolir mais uma aldrabice

Confesso que temas económicos não são o meu forte, muito longe disso, até porque detesto o tópico, mas este artigo hoje no DN, chamou-me à atenção devido a ser descarada a tentativa de branqueamento das políticas criminosas do FMI e da tentativa de uma verdadeira lavagem ao cérebro do povinho português para aceitar a entrada em Portugal do FMI.

O mais grave é que até pessoas que têm criticado e bem todo este circo que vivemos, como o professor Medina Carreia, também embarca na mesma desinformação.

Tenho em grande consideração o professor, mas há temas em que sinceramente não concordo minimamente com ele, como este caso do FMI bem como quando fala da eminência parda do avental, Mário Soares.

É verdade que caminhamos a passos largos para o fundo do abismo, mas por isso mesmo é melhor que nos recusemos e acima de tudo, que façamos os possíveis e os impossíveis para não cair nas mãos dos criminosos do FMI.

O exemplo espanhol: corte de 1/3 nas empresas públicas – Economia – DN

Dos quatro países em graves dificuldades – Grécia, Irlanda, Portugal e Espanha – só Lisboa não cortou na despesa pública.

FMI: o estigma de uma instituição que ajuda os Estados – Economia – DN

A vinda do FMI foi pedida durante a semana que passou por vários ex-ministros e economistas, que apresentaram a instituição como a única capaz de obrigar o Governo português a encetar um plano de austeridade das contas públicas sério e credível. A estes pedidos, o Governo nada contrapôs.

O Fundo Monetário Internacional tem por missão financiar os Estados que se encontram em dificuldades para cumprir o pagamento da sua dívida externa. Como contrapartida deste acesso facilitado ao crédito, o FMI exige aos Estados que cumpram as regras do livre funcionamento dos mercados, da não intervenção dos governos na fixação dos preços dos bens, de austeridade nas despesas públicas, etc. Estas exigências traduzem-se na estigmatização do FMI, cuja entrada em cena num qualquer país já é, aliás, encarada como um sinal de pré-bancarrota desse Estado.

Melhor que eu explicar o que é na realidade o FMI e o que esses criminosos levam a cabo, será verem este vídeo e lerem este artigo.


The Meaning of “Austerity”

IMF: Trapping Countries into Debt

For decades, left critics of the International Monetary Fund (IMF) have maintained that the IMF is merely a tool for enforcing the interests of financial elites, especially those in the US. Predictably, this view has been scornfully dismissed by those in power and their media lackeys who posture the institution as the benefactor of needy countries. The persistent history of the IMF’s extortionate funding, linked to austere cuts in social spending, is simply dismissed as pressing fiscal responsibility on countries lacking the spine to address their profligacy. Such are the myths that sustain faith in global capitalism.

VIDEO: What is the Meaning of IMF “Economic Austerity Measures”?

It’s an old trick to couch a painful reality inside of a flowery platitude. We hear it all the time in our daily lives, and for the most part we know how to read between the lines when someone tries to do it to us.

When your doctor tells you that “This will only hurt a bit,” you know enough to brace yourself for a painful procedure. When your boss tells you he has an exciting new project for you to work on, you know you’re about to get saddled with the job that no one else wants to do. When a salesman tells you a used car is a fixer-upper, you know you’re looking at a lemon.

Similarly, when the IMF tells a nation that they need to implement “austerity” in order toget themselves out of a financial crisis, here, too, lies a gaping chasm between the language and the reality.

“Austerity” is one of those Orwellian terms that has been injected into our political discourse precisely because it is a nice-sounding word for a very painful reality. “Austerity” implies discipline, self-restraint, even nobility. “Austerity” is prudent. “Austerity” is modest. “Austerity” is a virtue. It is an end in itself.

Powered by ScribeFire.

18 Respostas

  1. E foi assim que desde 74 entregámos o país à corja internacional, uma vez mais – «quem controla a dívida controla tudo!»

    Hugz

    • olá Ana, tudo bom?

      «quem controla a dívida controla tudo!», com esta frase disseste tudo!

      parece que algumas das pessoas que comentaram ainda não viram essa LUZ!!!

      beijos

      • Quem não quer ser controlado não pede empréstimos. Quando pedimos um empréstimo ao banco, também somos controlados.

  2. LOL, os criminosos são o FMI ? Que grande noção da realidade…

  3. Dois pontos:
    * Da forma natural como se ouve a expressão “o custo do dinheiro” nos meios de comunicação, podemos deduzir que o nosso mundo é de facto Orwelliano (o dinheiro, pela sua definição, não tem custo. Mas sim, todo o dinheiro no nosso sistema tem custo, na forma de juro, como sabemos)
    * Nunca percebi a importância dada por ti ao Medina Carreira, que é um cão como os outros: ladra, ladra, ladra mas a caravana passa. Mete-o no poder e vais ver como as coisas não mudam e ele se torna muito parecido aos que por lá passaram. E pior, às vezes nem ladrar sabe.

    No momento em que alguém quiser mudar as coisas, terá de denunciar primeiro o sistema monetário actual. Quem não o faz, é porque ou ignora (e pessoas com determinadas responsabilidades/conhecimentos não podem ignorar) ou porque têm a ganhar de alguma forma.

    • boas Gil,

      concordo a 100% com o que escreveste!

      quanto à importância dada ao prof. Medina Carreira, como leste tb o critico, mas a importância deve-se apenas a ser um dos poucos que levanta a voz contra a palhaçada que por cá se vive, agora concordo a 100% contigo quando afirmas que “No momento em que alguém quiser mudar as coisas, terá de denunciar primeiro o sistema monetário actual.” e aí duvido que ele alguma vez o faça, pelo menos até agora nunca o ouvi dizer isso.

      no entanto temos de começar por algum lado, já haver duas ou três pessoas a criticar alguns pontos, ainda que seja sem sair do actual paradigma, já não é mau de todo….agora gostava que estas pessoas fossem mais radicais e ajudassem a expor o status quo, a moeda FIAT.

      ab

  4. Amigo,eu sei do que falo.Não ando aqui com frases feitas.Quem controla a dívida controla tudo.E quem é que controla quem controla a dívida ?

  5. Só vou dizer uma coisa, é vergonhoso isto estar numa pesquisa que fiz como no top1, para criticares algo procura saber se possível…

    http://www.facebook.com/note.php?created&&note_id=157696474280797

    Minha critica

  6. isto vai msm d mal a pior…

  7. nao sei onde ira parar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: