FLOSSNEWS: SCO/microsoft vs UNIX e truques baixos do ms-Bing

Mais info sobre estes temas no NIXWARE.

https://i0.wp.com/www.katonda.com/sites/default/files/userfiles/image/Web/Browsers/Bing.png

Powered by ScribeFire.

FLOSS News: ODF na Europa, routers e botnets, Ubuntu usa E17

Aqui ficam algumas notícias sobre estes temas, dêem olhada no Nixware 🙂

Elve Gem

Powered by ScribeFire.

Concurso para o Classmate Magalhães II, a pouca vergonha continua

O site de notícias de Informática entre outras, do Sapo, o TEK, tem uma notícia que é de bradar aos céus e que mais uma vez demonstra bem como se fazem as coisas neste país, como se coloca em causa a livre concorrência e se protegem monopólios usando o erário público.

Trata-se do artigo Fabricantes levantam caderno de encargos para o e-escolinha, a partir do qual tomamos conhecimento que Na componente de software volta a ser exigido o dual boot, com a possibilidade do portátil ser utilizado com os dois sistemas
operativos, a pré-instalação do pacote de aplicações Microsoft Office
(…)”.

Isto é simplesmente impressionante, ou melhor, é COMPLETAMENTE ILEGAL.

Como raio faz parte do concurso a obrigatoriedade da pré-instalação do ms-office?

Não existe a mínima razão para tal facto, isto é um completo abuso.

1º Com esta obrigatoriedade coloca-se em causa a livre concorrência

2º ao colocar-se em causa a livre concorrência, coloca-se em causa o racional uso dos dinheiros públicos

3º esta situação como descrevi noutra entrada indica que “Segundo esta interessante notícia no site do Observatório e Repositório de Software de fonte aberta, OSOR, muitos dos concursos que as Administrações Públicas (AP) fazem para a aquisição de software, podem ser ilegais uma vez que ILEGALMENTE beneficiam, favorecem, as aplicações proprietárias.
Mas o mais interessante é que parece que neste caso apenas se trata de um concurso tendo em vista hardware.

deve-se ensinar às crianças CONCEITOS E NÃO PRODUTOS.
como tal seria lógico que se ensinasse a usar processadores de texto, folhas de cálculo e software de apresentações e não marcas, logo o mais lógico seria a utilização de software deste tipo que fosse multi-plataforma, casos do OpenOffice, Koffice, Abiword, Gnumeric,  etc.

5º como indico no ponto anterior existem alternativas que fazem exactamente a mesma função e que são gratuitas ou mais baratas casos de outros exemplos deste tipo de software mas comercial, como o Staroffice, Lotus Symphony ou do Corel entre outras.

as vantagens do uso de software livre são óbvias, para além de ser gratuito a sua licença permite o seu uso livre quer por empresas quer por particulares, sendo o seu código aberto mais tarde os petizes d’agora poderão tornar-se amanhã nos programadores dessas mesmas aplicações.
Essas aplicações de Software Livre respeitam a utilização do formato ODF, padrão aprovado internacionalmente e que inclusive é obrigatório o seu uso pelos países da NATO, Portugal presumo que esteja incluído.
Não param de crescer os países que têm tornado este formato aberto e livre, que por todos pode ser implementado, quer por software comercial quer por software livre, no seu formato padrão de ficheiros de escritório.

7º diversos países ricos Europeus têm vindo a adoptá-lo nos seus Ministérios, casos da França, Alemanha entre outros, tendo agora mesmo sido adoptado como padrão pela empresa pública de tv da Noruega a par dos formatos livres de vídeo e audio ogg (vorbis e theora).
Por cá também é usado por exemplo pela Radio Popular que apenas usa nos seus sistemas Software Livre como se pode verificar nos seus POS quando efectuamos compras nestas lojas.

8º é usado pelo Banco do Brasil e claro faz parte do projecto de Munique bem como é padrão na Gendarmerie francesa.

9º a Assembleia da Republica já votou o seu uso

10º a suite de escritório da microsoft, não respeita a norma ODF, isto apesar de supostamente permitir gravar e abrir documentos neste formato padrão internacional, mas o que é facto é que diversos testes demonstraram que a implementação da microsoft não respeita o formato e causa mais uma vez problemas de INTEROPERABILIDADE.
Aliás, há sérias preocupações de que o desrespeito pelo formato ODF por parte da microsoft se insiram na sua habitual estratégia de descredibilizar o formato, tentando assim manter o lock in/dependência dos utilizadores através dos seus formatos proprietários.

11º para crianças que estão a iniciar-se na utilização de computadores, sistemas operativos e aplicações, é-lhes indiferente usarem qualquer tipo de sistemas e aplicações, elas têm a capacidade de apreender todos eles e de não colocarem de lado algo novo ou que não estejam habituadas a usar

12º se pensam que a microsoft dá alguma coisa a alguém e nomeadamente ao Estado português, pensem duas vezes e já agora consultem a base de dados do Transparência-pt.org, onde podem verificar que dos nossos bolsos já saíram quase 25 milhões de euros para a microsoft.

Powered by ScribeFire.

Resumo ‘VII Encontro Nacional de Tecnologia Aberta’ – o Software Livre em Português

[update: vídeo da apresentação de Paulo Trezentos da CM, O Adepto do Software Livre]

Ontem decorreu no auditório da Lispólis, Forum Tecnológico de Lisboa mais um encontro da comunidade do Software Livre em Portugal, especialmente a comunidade empresarial, com a Caixa Mágica, Sybase e ESOP na linha da frente.

De linux2009

Entre os presentes estavam para além, da Caixa Mágica e Sybase que organizam já há 7 anos este encontro, a Red Hat, Novell, Nokia, Scalix, e algumas das empresas que compõem a ESOP, como a Ângulo Sólido e a DRI, entre outras.

De linux2009

Infelizmente não deu para estar em todo o lado 😦 e como os tempos das diversas apresentações nunca são cumpridos, nem sequer o início do encontro, lá perdi a apresentação da ANSOL :(, uma vez que penso que esta terá ocorrido a quando da apresentação da Nokia e do seu N900 bem como da IPBRICK no andar de cima.

Fazendo um pequeno apanhado do que por lá se passou e deixando por aqui algumas fotos é o meu objectivo….

De linux2009

Ora lá vamos!

De linux2009

Infelizmente a apresentação de abertura foi muito mas muito má, e teria tudo para ser muito interessante se por acaso tivessem escolhido a pessoa certa para a apresentar, o que não foi o caso.

A apresentação era sobre um estudo levado a cabo em Espanha em que se pretendia obter informação sobre as potencialidades do software livre na criação de riqueza, emprego e conhecimento.
O estudo ainda não está online e supostamente foi ontem apresentado em 1ª mão, nada vos posso dizer sobre ele,porque sinceramente não percebi patavina do que o representante da CENATIC disse!
A apresentação foi feita em inglês por Pop Ramsamy, que deverá ser uma óptima pessoa, provavelmente um excelente técnico, mas falar perante o público para fazer uma apresentação de nada sabe….

Do muito pouco que percebi é que o CENATIC é um projecto estratégico do governo espanhol para o Open Source, i think!!!
Nele o Ministério da Indústria deverá apostar até 10 milhões de euros.

De linux2009

De seguida e já muito habituado a estas andanças foi a apresentação de Paulo Trezentos o CTO da Caixa Mágica.
As suas apresentações são sempre, pelo menos as que tenho assistido, rápidas e elucidativas, não perde tempo com com nada do que não interesse.

Falou-nos do enorme sucesso da CM já com cerca de 650.000 sistemas instalados e do grande sucesso que têm sido os portáteis do programa e-escolas onde cerca de 10% estão a usar continuamente GNU/Linux, isto tendo em conta a info obtida pelos diversos updates da CM.

A sua apresentação começou com um toque de humor ao apresentar uma vídeo montagem com imagens do debate dos blogs em que teve como protagonista o putativo engº Sócrates, usando para tal uma pergunta do próprio Paulo Trezentos também ele presente nesse debate e ao qual e sobre uma pergunta relativa ao Software Livre em Portugal, Sócrates resolve falar bem da microsoft e dos famosos acordos entre o nosso desgoverno e a dita empresa.

Paulo Trezentos falou ainda das parcerias com o projecto Ensino Livre e a ESE (Escola Superior de Educação de Santarém) bem como de uma parceria com o governo de São Tomé e Principe relativa ao OpenOffice o qual lá se chama STP Office por forma a aproximá-lo mais do coração das pessoas e tendo em vista a ser adoptado pela Administração Pública daquele país.

Falou ainda sobre um novo projecto da CM, o dudf.caixamagica.pt, o qual é baseado no projecto da UE, MANCOOSI que tem como objectivo definir um formato específico de relatório para os problemas resultantes de uma instalação defeituosa de pacotes.

De linux2009

Seguiu-se Eduardo Taborda da Sybase, o qual colocou mais em foco a área comercial do Software Livre, mais concretamente a questão,

“Como Optar”….
– cumpre requisitos funcionais da organização?
– serve os utilizadores?
– é o mais económico?
– integra com os já existentes

O representante da Sybase afirmou que a “principal dificuldade é a resistência à mudança”.
Para a Sybase o mote é, INTEROPERABILIDADE=LIBERDADE

Falou do exemplo da mudança de software proprietário para livre na cidade de Munique e da apresentação interessante que Florian Schiessl havia feito no ano anterior, sobre o projecto LiMux.


Florian Schiessl: LiMux & WollMux: Free Software in Munich

“O pessimista queixa-se do vento, o optimista espera que mude, o realista ajusta as velas” – William Ward

Depois de um intervalo, foi a vez de Pascal Lauria da Scalix fazer a questão “Is there a real alternative to ms-exchange?”

Segundo a Forrester, cerca de 49% das empresas estão a avaliar alternativas ao ms-exchange, especialmente as alternativas livres.
Outra questão que há anos nem sequer se equacionava era o outsourcing do mail interno de uma empresa, cerca de 28% das empresas já colocam essa possibilidade, daí se compreender de alguma forma a previsão da Gartner que em 2012 cerca de 20% das empresas terão migrado para esse tipo de infraestrutura.
Mais um meio de quebrar o lockin que o representante da Scalix tão bem explicou, a verdadeira dependência que o software da microsoft promove, e os seus elevadissimos custos.
A recomendação da microsoft para o ms-exchange pode custar até 200mil dólares.

De linux2009

Um exemplo dessa mudança ocorreu ainda há pouco tempo com o grupo dos serviços postais da Nova Zelândia a mudar da microsoft para o google Apps.

Um dos sucessos da Scalix em Portugal é o INE.

De linux2009

Depois da Scalix seguiu-se a apresentação interessante e bem apresentada, por parte do representante da Red Hat, Jan Wildeboer, um holandês.
A malta da Red Hat não brinca em serviço e veste literalmente a camisa, o Jan andava com uma camisa branca da Red Hat e claro o famoso Fedora, o chapéu vermelho da RH.

O Jan começou por falar dos números da Gartner a qual não tem em muito crédito uma vez que afirmou que a Gartner diz o que quem paga os seus serviços quer ouvir, de qualquer forma e segundo esta de 2008 a 2011, 85% das empresas usam Open Source.

Mencionou o OpenMAPI, e reforçou a ideia, se dúvidas existissem, que todo o software que a Red Hat desenvolve é 100% Open Source.
Passou ainda ao de leve pelas peripécias daquilo a que chamou o ohhh ohhh xml (ms-ooxml), e das suas 7.228 páginas para o implementar bem como da palhaçada que foi a implementação da microsoft do formato aberto e livre ODF, no seu SP2 do ms-office 2007, o qual como por aqui escrevi, é uma autêntica fraude da microsoft, mais uma vez provando que a sua ideia de interoperabilidade é apenas e só relações públicas para pseudo jornalistas mal informados.

O representante da RH sendo holandês afirmou ainda que a Holanda tem uma política que obriga a usar padrões abertos, o projecto Noiv, uma lista de padrões abertos.

Falou ainda do que se passou em Munique, relativamente à sua mudança da microsoft para o seu projecto livre baseado em Debian GNU/Linux, o LiMux e de como os custos das migrações são devidos às anteriores aplicações proprietárias e não devido às novas que seguem padrões.
Para reforçar esta ideia indicou mesmo que a quando do inicio da mudança em Munique, ao serem contactadas as empresas das quais a cidade de Munique tinha aplicações, 75% destas não responderam e 15% já nem sequer existiam.

Lá se vai mais um mito de que se pode confiar nas empresas de software proprietário e no seus produtos e de que estes estarão sempre aqui.

De linux2009

Logo a seguir à RH veio o senhor da m$-Novell, é mesmo assim como escrevo, a Novell já é mais microsoft que outra coisa qualquer, o caro João Batista mais parecia o putativo engº Sócrates, falava mais da microsoft e do ms-novell-mono do que de Software Livre e Open Source.
Teve mesmo um lapsus linguae, tendo numa parte da sua apresentação trocado Novell por microsoft….
Eles lá sabem!

A única coisa que interessou da apresentação foi mesmo saber a distinção entre o SLES/SLED e o OpenSuSE, este último é uma versão BETA, de desenvolvimento tipo a Fedora para a RH.
De qualquer forma quer o SLES quer o SLED podem ser usados sem qualquer custo tendo mesmo 60 dias de suporte grátis, a única diferença é que caso não se pague o suporte os upgrades têm de ser feitos à manápula, sem aplicação automática para os fazer.

Um conselho de amigo, querem realmente usar Software Livre, quer em Desktop quer em Servidores, fiquem-se pela Debian, Red Hat, CentOS, Whitebox, *buntu, Fedora.

De linux2009

Antes do almoço foi a vez do pequeno debate sobre estas coisas do Software Livre e da INTEROPERABILIDADE e PADRÕES, moderado pelo Paulo Querido, ao qual também esteve presente um representante da microsoft e um dos boss da Novell, infelizmente não fixei o nome destas criaturas!

Uma critica à organização, não creio que o debate deva acontecer a meio do encontro, não sei se existe disponibilidade de agenda das pessoas convidadas, mas o melhor seria que ficasse para o fim, para não se estar à pressa e as pessoas fazerem perguntas.

Do debate destacam-se as perguntas e criticas acertadas quer de pessoas da plateia incluindo um dos representantes da ESOP, o Gustavo Homem da Ângulo Sólido quer do representante da Scalix e da Red Hat.

As criticas andaram à volta da Interoperabilidade ou ausência dela, das muitas palavras e poucas acções da microsoft nesse sentido, do porquê da RH achar que o ms-novell-mono é um perigo, uma vez que só é coberto pelo acordo ms-novell e toda a restante comunidade fica a um passo de ser processada;
Jan da RH afirma que as usar software da parceria ms-novell, podem existir problemas legais no uso e correcções que a RH possa ter de efectuar, por isso mesmo não usa nem recomenda o ms-novell-mono.

Outra pergunta foi relativa à ausência de substitutos do autocad e ms-project, ao qual o representante da RH afirmou que esta está mais focada na Infraestrutura do que no mercado de aplicações e que não é fácil aparecer de um dia para o outro alternativas a estes programas com anos de existência, de qualquer forma segundo a RH o importante é focarmo-nos na utilização de padrões.

Já agora relembro que existem alternativas a estes dois programas, o problema é que as pessoas estão tão viciadas no software proprietário que fomenta a dependência que nem sequer se dão ao trabalho de experimentarem e habituarem-se a alternativas, incluindo até outras proprietárias, como o ARCAD.

Do lado da microsoft esteve sempre presente a banha da cobra, bla blabla interoperabilidade,bla bla bla 20mil linhas de código para o kernel linux, mas claro o caro representante de Bill Gates e companhia esqueceu-se de mencionar que A boa vontade da microsoft afinal deveu-se à batota desta, mais uma vez!

Como bons cachorrinhos os senhores da Novell lá batiam a pala ao dono e mais bla bla sobre o ms-novell-mono…

De linux2009

Depois de uma questão levantada por um dos participantes na plateia, a RH afirma que é muito bonito toda a gente dizer que suporta e apoia padrões e interoperabilidade, mas a verdade e que quando existem concursos que permitam oportunidades iguais lá se vai a boa vontade, e é aqui que os politicos têm uma palavra a dizer.

Afirmou ainda que se a microsoft se preocupa tanto com a Interoperabilidade porque razão no seu SP2 do ms-office 2007, não foram ‘capazes’ sequer de implementar o ODF como deve de ser?!

O representante da Scalix que foi um dos mais aplaudidos durante o debate por afirmar de modo sarcástico que todos nós da plateia deveria-mos aceitar a proposta da microsoft e começar a submeter projectos de interoperabilidade à microsoft já que esta estava com tão boa vontade.

De linux2009

Gustavo Homem também levantou a sua voz ao afirmar que na realidade nunca existiu por parte da microsoft uma verdadeira vontade para a interoperabilidade, a microsoft segundo Gustavo Homem apenas faz o minimo para servir apenas como relações públicas, exemplo disso é a implementação do ODF onde não são implementadas as fórmulas.

De linux2009

Paulo Trezentos afirmou sem qualquer margem para dúvidas que durante a proposta do PCP para o uso de Software Livre na AR e na AP, a microsoft fez lobby contra essa iniciativa e que ele teve conhecimento disso enquanto membro da ESOP.

Finalizo esta parte do debate com uma questão que veio da plateia sobre o porquê de não poder-mos adquirir netbooks com software livre, ao que Paulo Trezentos acrescentou que não faz qualquer sentido que isso não aconteça uma vez que no projecto e-escolas 10% dos utilizadores usam gnu/linux, logo existe mercado.

Só não os vemos à venda exactamente pela deturpação que a microsoft faz do mercado, acrescento eu, ou como o representante da Scalix afirmou, não existe competição porque a microsoft pressiona os vendedores para que assim não aconteça.

E como isto já vai longo como tudo, termino por aqui o meu relato do que pude assistir neste encontro, ressalvando que ainda assisti à cool sessions da Nokia com o seu N900 o qual tive na mão e pude brincar um pouco com ele, é sem dúvida um smartphone fabuloso com capacidades ainda mais fabulosas, o processador ARM consegue estar a correr um video flash no firefox ao mesmo tempo que estamos a correr um jogo e tudo fluído.
Podemos ainda usar os repositórios da Debian para instalar software como por exemplo o OpenOffice, segundo uma das pessoas da Nokia, ele próprio tem configurados os repositórios para usar o poderoso APT.

Por último assisti ainda à pequena apresentação do Nuno Pinheiro e o seu Oxygen do KDE 4.X.

De linux2009

Se quiserem ver algumas fotos do encontro, dêem salto até à minha conta do google picasa.

Para o ano há mais!

De linux2009

updates: microsoft dirty secrets, a construção de um império monopolista através de ilegalidades e trapaças

[update: 17Junho2009: Graças ao site BoycottNovell descobrimos mais uma ilegalidade suja da microsoft contra o OS/2 da IBM que naquela altura era um projecto conjunto entre IBM e microsoft e na qual participaram Bill Gates, Jim Alchim e Steve Ballmer.
Segundo provas em tribunal, a microsoft desenvolveu uma aplicação para crashar o OS/2 para demonstrar que este era instável.
Mas há mais maroscas por parte destes senhores, no mesmo site podemos ler o historial das sabotagens da microsoft ao multi-boot]How Steve Ballmer (and Colleagues)

Outro dos exemplos é o DOS da Caldera, o qual caso estivesse instalado num PC e o ms-windows 3.0 não se deixava instalar, ainda que o DOS da Caldera como qualquer outro permitisse sem qualquer problema correr o ms-windows.

É impossível alguém acreditar nesta empresa e nos seus administradores que a tudo recorrem para atingirem os seus objectivos.
Por isso digo que é uma loucura os projectos de Software Livre e os programadores usarem o ms-novell-mono(poly), por isto mesmo por todos estes truques temos de estar vigilantes, até porque os senhores da microsoft já estão a levar a cabo outro, o do ataque concertado ao formato livre e aberto ODF.

Deliberately Sabotaged OS/2 | Boycott Novell

From w-clair1 Thu Jul 25 19:46:22 1991
To: billg bradsi jimall jonl mikehal paulma richab russw scotto steveb
Cc: billmi cameronm carls garygi julieg martyta mikemap rogersw w-clairl
w-pamed
Subject: SteveB press tour trip report (long mail)
Date: Wed Apr 29 19:11:09 PDT 1992

Date: Thu Jul 25 19:33:28 1991

SteveB went on the road to see the top weeklies, industry analysts and business press this week to give our systems strategy. The meetings included demos of Windows 3.1 (pen and multimedia included), Windows NT, OS/2 2.0 including a performance comparison to Windows and a “bad app” that corrupted other applications and crashed the system. It was a very valuable trip and needs to be repeated by other MS executives throughout the next month so we hit all the publications and analysts.

4. The demos of OS/2 were excellent. Crashing the system had the intended effect–to FUD OS/2 2.0. People paid attention to this demo and were often surprised to our favor.

Nem um dual-boot estes senhores permitem, com a introdução do SP1 do ms-vista, caso esteja em dual-boot a microsoft arranjou maneira de destruir o bootloader que carrega os sistemas livres, seja ele GRUB ou Lilo.

The History of Microsoft’s Multi-boot Sabotage | Boycott Novell

One of the more questionable tactics that Microsoft has implemented in Vista is to automatically overwrite any existing MBR during the installation process without asking if you mind or giving you an option to back up.

Microsoft says that the Windows installation system can’t intelligently interrogate an existing non-MS MBR, although such features are quite common in the install routine for other OSes.

Powered by ScribeFire.

FLOSS News: Classmate Magalhães é ilegal; ODF Alliance denuncia a fraude da microsoft

  • Classmate Magalhães é ilegal
  • ODF Alliance denuncia a fraude da microsoft
Classmate Magalhães é ilegal

Não é que para mim seja uma grande novidade, se a Comissão Europeia seguisse os trâmites normais, isto acabaria por suceder, já o havia escrito, Concursos públicos para aquisição de software podem ser ilegais segundo UE.

Mas não deixa de ser com alguma surpresa que hoje leio a notícia através do blog do software livre, que remete para uma notícia do jornal Sol, que a Comissão Europeia considera o classmate Magalhães e todo o Plano Tecnológico ILEGAL.

Tudo isto e como atempadamente e até à exaustão vem sendo dito por pessoas ligadas à divulgação do Software Livre em Portugal, se deve a Para a Comissão Europeia, o Governo português não agiu de modo transparente, porque as empresas foram tratadas de modo desigual.” (SOL)
“A Comissão Europeia (CE) considera que Portugal infringiu as leis comunitárias da concorrência ao adjudicar por ajuste directo, e não por concurso público, todos os programas governamentais ligados ao Plano Tecnológico da Educação.”

Na verdade ainda hoje não se sabe como decorreu todo este processo, muito pouco ou nada transparente.
Infelizmente por cá as vozes que se levantaram contra este tipo de atitudes e que questionaram o projecto de um governo e Primeiro Ministro prepotente e arrogante, que faz leis à sua medida e contorna as que não lhe agradam levam a mais uma vergonha de Portugal junto dos seus parceiros, nunca viram as suas questões respondidas.
Este é o governo das obras e projectos de propaganda.

A ver vamos no que isto dá, ainda por cima quando segundo notícias e estatísticas da IDC, a jpsacouto vergonhasamente, cresce mais de 1000% graças ao potencialmente ilegal, classmate magalhães.
E vergonhasamente porque não existiu qualquer concurso público relativamente ao classmate magalhães, ao contrário do que actuamente se está a passar na nossa vizinha Espanha onde o governo lançou um concurso internacional para o desenvolvimento de um portátil para o ensino, tendo já diversas empresas conhecidas, como a Dell e HP começado a trabalhar nesse tipo de portátil.
Inclusive a Dell já tem em marcha o seu Latitude 2100 que correrá software livre, nomeadamente a distro Ubuntu que habitualmente a Dell usa.

E já começou a desinformação governamental, eles são bons é nisto, propaganda para a maioria dos media subservientes deste país divulgarem e até enaltecerem as decisões do grande timoneiro!
À Lusa, Paulo Campos afirma-se convicto de que “a queixa não tem qualquer fundamento”, uma vez que “os procedimentos seguidos pelo Estado português foram de total transparência”.

Sr Paulo Campos, se houve tanta transparência porque hoje ainda não se sabe porque razão foi a jp sa couto a escolhida e como o foi?
Porque razão a Comissão da UE resolve investigar o caso?

ODF Alliance denuncia a fraude da microsoft

Também já aqui havia referido que a implementação por parte da microsoft do formato aberto, livre sem problemas de patentes e royaltie free, ODF, é uma autêntica fraude com vista quer a desacreditá-lo quer e muito especialmente a criar um formato que só a microsoft consiga implementar por forma mais uma vez a manter o lock in dos utilizadores ao seu ms-office.

Senão vejamos, a microsoft com o seu sistema operativo e o seu ms-office detém um monopólio, por diversas vezes condenado, sendo a mais recente condenação por parte da UEuropeia.

Ao implementar uma versão do formato livre ODF que mais ninguém consegue ler, a microsoft para além de estar a destruir a credibilidade do formato, o qual funciona perfeitamente em todas as implementações de outras suites de escritório, como OpenOffice.org, Koffice, etc, incluindo através do plugin que a própria microsoft patrocina, excepto na sua implementação que o SP2 do ms-office usa, a microsoft está a deturpar completamente o objectivo de um formato livre e aberto e a afastar os utilizadores desse formato.

Mas o mais ridiculo é a microsoft estar a implementar uma versão do formato ODF que ela própria a quando da votação e pertencendo ela ao consórcio que o estava a desenvolver, se limitou a nada dizer.

Para perceberem melhor o que esta empresa faz para destruir de forma ilegal os seus concorrentes aconselho sem dúvida os excelentes artigos da Angulo Sólido, Rob Weir e Groklaw que acompanham este caso, bem como a informação colocada online pela ODF Alliance, que denuncia mais um esquema fraudolento da microsoft.

Finally we arrive the major announcement in 2009: Microsoft Office 2007 SP2 supports ODF. This is huge. A great headline! Despite all the OOXML mess Microsoft supports ODF first. But you can’t exchange any basic spreadsheets between Office 2007 SP2 and any other ODF producer because not even the most basic 2+2 SUM() is compatible. Unbelievable? Maybe. But it’s true and they don’t even deny it. Regardless of all the existing ODF implementations (Open Office, Symphony, Koffice, odf-converter, Sun ODF Plugin) Microsoft handled formulas on their own incompatible way. There’s no possible excuse for this. Even odf-converter, wich is co-developed by Microsoft, managed to play nicely with the others.

via angulo solido

Of course, I am not that cynical. I was taught to never assume malice where incompetence would be the simpler explanation. But the degree of incompetence needed to explain SP2’s poor ODF support boggles the mind and leads me to further uncharitable thoughts. So I must stop here.

via robweir blog

It would be a major disappointment, if I ever had any hope that Microsoft would actually allow true interoperability. However, having formed the opinion during the BRM over OOXML that Microsoft had no such goal, I was spared any disappointment when my suspicions came true. But it’s a crying shame, and I feel for any government entities trying to figure out how to get to actual interoperability for all their citizens. How can they insist that a citizen has to buy proprietary software in order to interact with their government? It just sticks in your throat, doesn’t it? Unless you are Microsoft, of course. To Microsoft, vendor lock-in is not a bug, I suspect, but a feature.

via groklaw

On April 28, 2009, Microsoft released Service Pack 2 for Office 2007 which provided users the ability to open and save ODF files. However, an initial round of testing of Microsoft’s support for ODF in Office 2007 (see analysis at http://www.odfalliance.org/resources/fact-sheet-Microsoft-ODF-support.pdf) has revealed serious shortcomings that, left unaddressed, would break the open standards based interoperability that the  marketplace, especially governments, is demanding.

via ODF Alliance blog

Summary: The pressure is rising for Microsoft to stop vandalising interoperability while keeping disingenuous

via boycottnovell

Como se percebe, para a microsoft Interoperabilidade é apenas e só um chavão para a sua publicidade e propaganda enganosa, na realidade e tal como Bruce Perens afirma, a microsoft de hoje é a mesma de sempre, a dos jogos por debaixo da mesa, uma empresa que mente descarada e impunemente.
Voltamos à máxima da microsoft em relação ao MS-DOS e MS-Windows 3.1, mas agora aplicada ao formato livre ODF, tal como o site boycottnovell afirma, o ms-office só está pronto quando o ODF não funcionar, tal como a microsoft fez em relação aos outros DOS, nomeadamente o DR-DOS, não poderem correr o ms-windows 3.1.

MS on Trial One of the claims by Caldera that Microsoft wanted dismissed concerned intentional incompatibilities between Windows and DR-DOS. David Cole and Phil Barrett exchanged emails on 30 September 1991: “ “It’s pretty clear we need to make sure Windows 3.1 only runs on top of MS DOS or an OEM version of it,” and “The approach we will take is to detect dr 6 and refuse to load. The error message should be something like ‘Invalid device driver interface.'”

via theregister

Bruce Perens: Microsoft and TomTom Settle, Justice and Linux Lose

There’s no “new face of Microsoft.” It’s the same old company.

Powered by ScribeFire.

DFD09 – dia global para a libertação do formato livre ODF

Hoje celebra-se pelo segundo ano o dia global do formato livre, o ODF.

(ODF logo)

É cada vez maior a adopção deste formato aberto e livre por parte de diversos países, infelizmente o nosso Portugal continua na sombra de muitos deles, incluindo dos ricos da UE.

Incluindo a NATO que usa o ODF como documento obrigatório para todos os seus membros, incluindo Portugal.

Por cá mesmo após a apresentação do Projecto Lei 577/X continua tudo na mesma, ou seja, a subserviência e o favorecimento de uma única empresa, a microsoft, continuam a impedir que os cidadãos, a Administração Pública e as empresas beneficiem de um formato que lhes permita não estarem dependentes de um único fornecedor que assim os mantém presos de uma estratégia de longo prazo com vista à obtenção do maior lucro possível, impedindo quer cidadãos quer AP quer empresas de escolherem as empresas, software e serviços que desejam e pelo mais baixo custo.

Continuamos assim todos juntos a pagar o chamado impo$to micro$oft, embora já haja algumas victórias que por cá também podemos conseguir, Não Quero Imposto M$ !

Algum do software compatível com o formato ODF.

É um dia importante para todos os que dão importância à INTEROPERABILIDADE que a Liberdade de escolha de um formato aberto e livre confere, e que não querem que casos como o já mencionado Tribunal de Contas e CPC acham normalissimo obrigar à utilização de software da microsoft, se continuem a repetir, destruindo essa interoperabilidade, destruindo um mercado que se quer aberto e sem monopólios e que infelizmente para todos os cidadãos e empresas tem beneficiado uma empresa, ainda por cima uma empresa diversas vezes condenada na sede própria que são os tribunais, quer da UE quer dos EUA.

Powered by ScribeFire.