Certificações GNU/Linux – qual escolher?!

Tenho tido algumas conversas sobre certificações de GNU/Linux, estando a pensar tirar algumas, resolvi investigar o que temos por cá.

Pelo que li e o que mais me interessa, são duas as possíveis, LPI ou RedHat, embora a Caixa Mágica também ofereça formação.

Das diversas deambulações pela web, creio que as certificações RedHat são mais caras, com o inconveniente, ou não, de serem adaptadas apenas e como é lógico à RedHat.

Em relação ao LPI creio que sendo mais baratos têm outra vantagem que me agrada, não são focados apenas numa distro.
“O nosso programa de certificações tem uma distribuição neutra, segue as recomendações do padrão base de Linux e de outras convenções importantes de testes standard e profissionais.” tal como é afirmado no site português do LPI.

Outra vantagem que pode ser interessante para muita gente, é o facto do Ministério da Educação ter assinado um protocolo de colaboração com o Ministério da Educação que permitirá a implementação da formação e certificação LPI em 30 escolas do Ensino Secundário, através da criação de Academias TIC.

DRI e Ministério da Educação assinam acordo para Academias TIC- DRI

Além da DRI, o protocolo de colaboração englobou igualmente as empresas Cisco, Apple, Oracle, Sun e Microsoft, bem como a Caixa Mágica e a Alinex, as duas distribuições Linux nacionais mais fomentadas.

Em Portugal as certificações RedHat podem ser obtidas na Rumos.

O certificador em Portugal do LPI, é a DRI.

Alguns sites e livros sobre o LPI:

Programa LPI

LPI-Manuals! – the Free GNU/Linux Administration Manuals project

Guia LPIC

Linux Certification Documentation Project

Linux Professional Institute (LPI) exam prep (IBM)

LPI Linux Certification

LPI Linux Certification in a Nutshell

Diversos livros de preparação

Anúncios

Uma review do belo Acer Aspire one

[Editado] – esta review também é interessante, especialmente porque menciona o disco HD de 120Gb e 1Gb de memória.

O site HardwareZone fez uma review ao Acer Aspire one, pelo que vi o pior mesmo é a duração da bateria, o sistema operativo GNU/Linux que ele traz parece facílimo de usar mesmo por quem nunca viu um sistema GNU/Linux à frente, trata-se do Limpus Linux Lite OS.

De 1 estrela a 5, atribuiram 3….

Relativamente à crítica ao OS instalado ser muito restritivo, até pode ser verdade, mas podemos sempre instalar lá um belo Debian/sidux/kubuntu GNU/Linux, fica logo tudo resolvido 🙂

The Acer Aspire One Netbook Review :: Articles :: www.hardwarezone.com®

Pros: Light weight, decently sized keyboard, clear and bright LCD screen
Cons: Dismal battery life, restrictive OS, expensive price, unwieldy trackpad.

The Acer Aspire One Netbook Review :: Articles :: www.hardwarezone.com®

The operating system provided, while restrictive, does allow for a simple and easy to use experience for the more novice folks through its nice GUI interface.

Debian GNU/Linux usado no 4º maior supercomputador da Alemanha – Max Planck Institute

Uma equipa de cientistas do Instituto Max Planck para a física gravitacional, criaram o 4º maior supercomputador da Alemanha usando para tal a distribuição livre e não comercial, Debian GNU/Linux, a mãe do Ubuntu e do Sidux e de muitas outras como o primeiro livecd, o Knoppix.

Debian GNU Linux powers Max Planck Institute 32.8 TFlops supercomputer

The massive computing effort necessary for this research is provided by a Debian GNU / Linux cluster of 1342 nodes called ATLAS. Using 10+ TB RAM, approximately 1.3 PB storage and a special network able to transfer almost 4 days worth of DVD movies each second, the cluster achieves a measured performance of 32.8 TFlops. This performance places the ATLAS Debian GNU / Linux supercomputer at 4th place in Germany, 11th in Europe and 34th worldwide, at a cost of EUR 1.8m (~ US$ 2.8m).

The ATLAS Debian GNU / Linux cluster was designed, built and has been managed by Dr Henning Fehrmann and Dr Carsten Aulbert, who have been using Debian GNU / Linux for years.

ATLAS has smaller brother and sister systems in Potsdam, Germany: “Merlin” (1.3 Tflops) and “Morgane” (6 TFlops) — also running Debian GNU / Linux and managed by Dr. Steffen Grunewald for many years; “the experience with them had been very, very good”, according to Dr. Aulbert.