Porque somos coniventes com as ilegalidades praticadas pelos EUA?

Segundo noticiam diversos órgãos de (des)informação, os dois prisioneiros sírios de Guantanamo já chegaram a Portugal.

Como é habitual ninguém dos media da propaganda se interrogam sobre este caso, limitam-se a passar notas de imprensa, são apenas e só o veículo de relações públicas do (des)governo.
Na verdade também ainda não ouvi ninguém dos outros partidos a abrir a boca para dar a sua opinião sobre este assunto.

Segundo estes mesmos meios de comunicação,Os dois cidadãos que já foram restituídos à liberdade não são objecto de qualquer acusação. São pessoas livres e estão a viver em residências cedidas pelo Estado..

Ora é precisamente estes dois pontos que me levam a questionar a sanidade mental quer do governo, quer dos partidos da oposição, quer dos media, quer dos portugueses.

Porque razão os media não questionam o nosso governo e os partidos da oposição, porque razão não explicam aos portugueses esta realpolitik do engano e da ilegalidade?

Se não fazem eles as perguntas eu faço algumas delas.

Foram precisos anos para os EUA descobrirem que estas pessoas são inocentes?
Se o são e acredito que sim, então estiveram presas ilegalmente, será que vão processar os EUA?
Será que Portugal está disposto a ajudar nesse processo?

Se estas e outras pessoas são inocentes porque razão não podem ficar nos EUA?
Não foi este país que as aprisionou ilegalmente? Não foi este país que as torturou? Não é este país que deveria agora assumir as suas responsabilidades?

Segundo os media, parece que é o Estado Português, ou seja os nossos impostos, que iram pagar as ilegalidades e os desvarios das Administrações terroristas dos EUA.
Será que ninguém se questiona sobre isto?

Porque temos sido e continuamos a ser coniventes com as ilegalidades, que têm sido e continuam a ser perpetradas em Guantanamo, desde as mais básicas como a ausência de Habeas Corpus, julgamentos secretos, tribunais militares, que colocam em causa o Direito quer dos EUA quer Internacional, até à muito grave e desumana tortura a que os diversos prisioneiros têm sido submetidos e que está hoje mais que provada que tem vindo a ocorrer até aos dias de hoje.

PARTIDO da PARTILHA em vez de Partido Pirata!

Depois de ler o artigo de Richard M.Stallman que aqui há dias mencionei e que o Miguel Caetano do Remixtures traduziu, bem como este interessante artigo sobre o Partido Pirata do Reino Unido, dei por mim a pensar que apesar da vantagem inicial de se usar a palavra PIRATA, esta a longo prazo tem mais desvantagens que vantagens, como tal creio que o mais correcto seria os partidos passarem antes a usar a palavra PARTILHA, sendo assim creio que o nome mais correcto e de maior vantagem no futuro aqui no nosso país, seria de Partido Português da PARTILHA.

Apesar deste movimento a nível global ter vindo a aproveitar a enorme publicidade à volta do ThePirateBay, usando como slogan a palavra pirata, que até tem o ponto positivo de ser parecida em diversas línguas, tem no entanto o enorme inconveniente de ser associada a algo de ilegal ou criminoso,algo que nenhum destes movimentos defende.

Na minha modesta opinião deveríamos afastarmo-nos dos epítetos com que somos brindados por parte daqueles que criticamos e das jogadas de bastidores contra as quais lutamos, como tal creio que deveríamos acentuar aquilo que na realidade pretendemos, a PARTILHA.

Teria desde logo uma conotação mais legal e mais próxima daquelas pessoas que não estão por dentro destes temas mas que percebem que partilhar é positivo  que é algo pelo qual se deve de lutar, algo que é inerente ao ser humano, pelo contrário a palavra PIRATA tem uma conotação negativa, e mais negativa é quando o outro lado da barricada, aqueles que estão CONTRA A PARTILHA, fazem dela um slogan de ataque.

Seria pois muito mais vantajoso usar a palavra PARTILHA em detrimento da PIRATA; não estaríamos assim a fazer o jogo do adversário, quebrando desde logo muitas das acusações falsas e ilegítimas que nos fazem.
Até porque e como muito bem defende o Partido Pirata do Reino Unido, não é só a liberdade e a privacidade da rede que está em causa, mas também o que se passa no dia a dia, como por aqui tenho mencionado,desde as bases de dados de ADN, os chips nas matrículas, leis como a do cibercrime e da retenção de dados, câmaras de vigilância etc etc.

“Quando as companhias discográficas armam um escarcéu a respeito do perigo da “pirataria”, elas não estão a falar de ataques violentos a navios mas sim a queixar-se da partilha de cópias de música, uma actividade em que milhões de pessoas participam num espírito de cooperação. O termo “pirataria” é empregue pelas companhias discográficas para demonizar a partilha e a cooperação ao compará-las com o sequestro, assassinato e roubo.”
http://remixtures.com/2009/08/acabar-com-a-guerra-da-partilha-richard-stallman/

“While a call to legalise non-commercial filesharing is getting the most attention, the party believes freedom to share is part of a larger set of freedoms, including freedom from excessive surveillance, freedom of movement and freedom of information, to increase government transparency and accountability. And in addition to opening up a debate on copyright, Robinson also wants to ask: “How much CCTV is enough? How much government snooping on what we do on the internet is too much?””
http://www.guardian.co.uk/technology/2009/aug/26/filesharing-pirate-party-uk-downloads

A filantropia hipócrita de Bill e Melinda Gates! O que os nossos media não dizem.

Today we know the answer. With hundreds of millions of money already spent with hundreds of PR-stunts featuring Bill Gates as a mondern Santa Clause he has not made a single effort promoting natural, non-patentable therapies.
Dr. Rath rages against Bill Gates and the African Aids Conspiracy

https://i2.wp.com/farm3.static.flickr.com/2535/3674935033_d7dabe5240.jpg


Ontem a Agência Financeira no seu site, tinha o artigo, Bill Gates é o filantropo mais generoso do mundo; hoje é a vez do site do jornal Económico trazer a mesma propaganda sob o título de Bill Gates lidera ‘ranking’ dos maiores filantropos.

Mas será que a realidade é tal qual estes dois meios de comunicação nos querem fazer crer?

Infelizmente está longe, muito longe de ser assim, como a seguir demonstro.

Mais uma vez estas pessoas que se auto-intitulam de jornalistas, são-no na verdade muito pouco!
A minha concepção de jornalismo vai bastante mais além do simples copy/paste de outros pseudo-artigos ou de notas de imprensa distribuídas por empresas de Relações Públicas que na realidade não passam de empresas de Propaganda.

Jornalismo é INVESTIGAÇÃO, é verificar as fontes é fazer o contra-ponto neste tipo de notícia, por incrível que pareça um excelente exemplo é o artigo do LATimes que abaixo menciono.

Vamos então fazer o trabalho de casa que deveria ter sido feito pelos supostos jornalistas dois dois órgãos de comunicação acima referidos.

Os senhores ‘jornalistas’ esqueceram-se de alguns pormenores interessantes nos seus artigos relativos à Fundação Melinda e Bill Gates, que na realidade não passa de uma fachada para investimentos e relações públicas destas duas personagens e até da microsoft.

Esqueceram-se de mencionar que a fundação está isenta de impostos, o que para quem está presente em negócios desde a Big Pharma até ao Petróleo e telecomunicações, não deixa de ser irónico, um embuste, uma hipocrisia.

A fundação investe massivamente nas diversas áreas que acima menciono, Big Pharma e Petróleo.
Em relação aos investimentos na Big Pharma ainda há poucos dias o wall street journal tinha um interessante artigo sobre a venda massiva de acções por parte da fundação, relativas à big pharma, o que não deixa de ser estranho, uma vez que a dita fundação supostamente tem investigação nesta área.
Mas mais uma vez parece que a Fundação Bill e Melinda Gates está mais preocupada com os milhões que eventualmente poderá perder com algumas mudanças, que eu duvido que venham a ocorrer nos EUA relativas aos seguros e ao serviço de saúde, do que propriamente com as supostas investigações com fins beneméritos, que levam a cabo nestas áreas.

Reparemos pois no que o Wall Street Journal nos informa.

Gates Foundation Sells Off Most Health-Care, Pharmaceutical Holdings – WSJ.com

The Bill and Melinda Gates Foundation, the world’s largest private philanthropy fund, sold off almost all of its pharmaceutical, biotechnology and health-care investments in the quarter ended June 30, according to a regulatory filing published Friday.
(…)
The foundation’s decision to drastically reduce its exposure to health-related stocks is striking, as many of its charity grants have been disbursed to address developing country health issues. Its move comes against the background of anxiety among drugmakers and healthcare insurance firms about the potential impact of the Obama administration’s proposed overhaul of the U.S. healthcare system, which could put pressure on prescription drug prices.
(…)

The foundation has also acquired a roughly 1 million-share holding in America Movil SAB de CV, a telecommunications company controlled by Mexican mogul Carlos Slim Helu, and a 1.5 million-share holding in train company CSX Corp., according to the filing. The holding of America Movil is in American depositary shares.

It also bought half a million shares in energy company Range Resources Corp. and a 700,000 share stake Cabot Oil & Gas Corp.

Em relação aos investimentos da Fundação no petróleo, um artigo do LATimes explica bem mais uma vez a o embuste que é essa Fundação, uma vez que a sua real preocupação é os biliões de dólares e não a vida humana, como eles tentam vender, e que pelos vistos muito facilmente o conseguem, tendo em conta a fraca qualidade dos supostos jornalistas que em vez de nos informarem, desinformam.

Dark cloud over good works of Gates Foundation — latimes.com

The Gates Foundation has poured $218 million into polio and measles immunization and research worldwide, including in the Niger Delta. At the same time that the foundation is funding inoculations to protect health, The Times found, it has invested $423 million in Eni, Royal Dutch Shell, Exxon Mobil Corp., Chevron Corp. and Total of France — the companies responsible for most of the flares blanketing the delta with pollution, beyond anything permitted in the United States or Europe.
(…)
Oil workers, for example, and soldiers protecting them are a magnet for prostitution, contributing to a surge in HIV and teenage pregnancy, both targets in the Gates Foundation’s efforts to ease the ills of society, especially among the poor. Oil bore holes fill with stagnant water, which is ideal for mosquitoes that spread malaria, one of the diseases the foundation is fighting.

Trata-se na realidade de mais uma mina de dinheiro para o clã Gates e sua corja, é mais uma sociedade de investimento do que Fundação,como mais à frente o LATimes explica, uma vez que 95% de todo o seu capital é investido em aquisições desta natureza e apenas 5% desse mesmo capital é que é usado para supostos projectos beneméritos…

Dark cloud over good works of Gates Foundation — latimes.com

Like most philanthropies, the Gates Foundation gives away at least 5% of its worth every year, to avoid paying most taxes. In 2005, it granted nearly $1.4 billion. It awards grants mainly in support of global health initiatives, for efforts to improve public education in the United States, and for social welfare programs in the Pacific Northwest.

It invests the other 95% of its worth. This endowment is managed by Bill Gates Investments, which handles Gates’ personal fortune.
(…)
By comparing these investments with information from for-profit services that analyze corporate behavior for mutual funds, pension managers, government agencies and other foundations, The Times found that the Gates Foundation has holdings in many companies that have failed tests of social responsibility because of environmental lapses, employment discrimination, disregard for worker rights, or unethical practices.
(…)
This is “the dirty secret” of many large philanthropies, said Paul Hawken, an expert on socially beneficial investing who directs the Natural Capital Institute, an investment research group. “Foundations donate to groups trying to heal the future,” Hawken said in an interview, “but with their investments, they steal from the future.”

Por fim, e se o que acima descrito não bastasse para demonstrar que tudo nesta Fundação não passa de um gigantesco embuste, uma fachada montada para branquear o mau carácter destas personagens, termino com a demonstração da enorme hipocrisia de Bill Gates e a associação da sua empresa microsoft à sua Fundação, o caso da visita à India em 1997 demonstra-o.

A Índia tem apostado fortemente no desenvolvimento de software livre, nomeadamente gnu/linux como forma de acabar com a sua dependência e enormes gastos com a utilização de software da microsoft.
A propósito dessa visita e usando a sua Fundação como relações públicas, Bill Gates ao mesmo tempo que anunciava 100Milhões de dólares na investigação da SIDA e 25M para mais uma vacina (HepatiteB), anunciava também o investimento de 400Milhões de dólares no combate ao uso e desenvolvimento de software livre por parte da Índia.
O artigo do jornal indiano The Hindu, explica melhor todos estes contornos num artigo cujo título é “Vendendo a Índia a Bill Gates”.

The Hindu : Selling India to Bill Gates

The AIDS mission apart, why was Bill Gates here? Blinded by his fame and wealth, we failed to see the pure commercial motive of advancing the interests of Microsoft. With our uncritical adulation, we may have ended up selling our software market, our software talents and perhaps even our soul to the world’s biggest software company. Hook, line and sinker.

The company Mr. Gates has built up is the biggest and most profitable software firm in the world. But it is also facing a threat from the most unlikely of competitors — the GNU/Linux operating system which has been developed by the larger Free/Libre Open Source Software (FLOSS) movement across the world. This “free” software has long since ceased to be a cult operating system meant for geeks. In terms of cost, reliability and security, GNU/Linux has proved itself far superior to the proprietary Windows in the market for software that runs the internet. Some independent estimates suggest that GNU/Linux has even overtaken Windows here.

Mais alguns dados sobre esta Fundação e o Modus Operandi destas personagens, Fundações e empresas:

M$ dirty secrets!

A Eugenia voltou. E agora tem o alto patrocínio da Fundação Bill & Melinda Gates

E claro nesta lista também é mencionado o senhor George Soros, sobre o qual já escrevi aqui, Quem colocou na presidência e controla o presidente da Geórgia? .

The Poor People of Redmond, Rich Uncle Bill, and the Pharmaceutical Cartel | Boycott Novell

THE Pharmaceutical Cartel is known for its unjust division between rich and poor (patents come before lives). It is a serious moral issue and Bill Gates happens to be a huge investor in such a cartel.

Watching the Microsoft Money at Play | Boycott Novell

We covered issues that are associated with the Gates Foundation several times in the past because they cannot be separated from issues that BoycottNovell investigates. This includes effects on media bias. In short, to give you just the gist of the story, the Gates Foundation is being (mis)used to buy media companies which then serve Gates and Microsoft.

More Bizarre Investments from the Gates Foundation | Boycott Novell

THIS mystery lingers on. The Gates Foundation invests in oil companies, in governments, and even in pharmaceutical companies that gain from the suffering people in developing nations. With financial questions hovering over Microsoft and the economy in general (another massive fraud has just been unearthed), one must understand and accept a reasonable degree of skepticism. What does a supposedly-charitable foundation think that it’s doing with an investment in a patent-slinging monopolist?

Dark cloud over good works of Ga

Today we know the answer. With hundreds of millions of money already spent with hundreds of PR-stunts featuring Bill Gates as a mondern Santa Clause he has not made a single effort promoting natural, non-patentable therapies.

Moreover, Gates and the other “stuntmen” were caught financing international conferences, like in Toronto, that were abused to attack South Africa and other governments who decided to cut themeselves loose from the genocidal business with antiretroviral (ARV) drugs promoted by big pharma.

It is now no longer a secret either from where Gates got the masterplan for this scam from: a century ago, John D. Rockefeller – like Gates today – was under public scrutiny as a “robber baron” for his criminal activities in forging the Standard Oil cartel. His solution: change the clothes from a “robber baron” to a “Mother Theresa” by designing the pharmaceutical investment business and hiring PR agencies portraying him as a philantropist.

Bill Gates Pumps Money into India, Education, Localization

AbdulRahman Aljadhai, also from Saudi Arabia, argued that the situation was indeed strange. Said Aljadhai: “Bill Gates thinks that Linux is more dangerous than AIDS? He is donating $421 million to fight Linux (to prop up Windows in India) and only $100 million to fight AIDS.”

Netbooks: O ERRO da Nokia, a oportunidade única que perdeu!

Segundo diversas informações a Nokia acaba de lançar o seu primeiro Netbook, como aliás muita gente previa que viria a acontecer.

Na minha modesta opinião, a Nokia ao cometer o erro de no seu primeiro Netbook usar o sistema operativo da microsoft, perde assim uma oportunidade histórica de se manter à frente da concorrência.

Passo a explicar o porquê desta minha opinião.

Há tempos escrevi aqui numa entrada do blog que o verdadeiro problema das pessoas se afastarem dos produtos da microsoft e de experimentarem outros muito superiores se deve em grande medida, eu diria mesmo que é a mais importante, à habituação a uma MONOCULTURA de sistemas operativos e das aplicações que muitas das vezes estes mesmos sistemas promovem através quer do bundling/agregação quer do aprisionamento a que estes submetem os seus utilizadores, especialmente pelos formatos de ficheiros FECHADOS que geram.

A Nokia perde assim, uma oportunidade de ouro, provavelmente única, de se distanciar deste grave problema que há décadas se tem vindo a acentuar nos PC’s e que em mais lado nenhum acontece, muito especialmente no mercado dos telemóveis, que a Nokia tem dominado.

Senão vejamos, desde routers, gadgets, televisões, leitores de DVD de mesa, discos rigidos multimedia, netbooks, e até como é óbvio, aos telemóveis, smart phones, PDA’s, Touch phones, handheds etc, toda esta panóplia de dispositivos cada vez mais usa sistemas operativos baseados em tecnologia Open Source como é o caso do Kernel Linux, usado desde o Nokia Maemo até ao Android da Google e ao Moblin da Intel e claro o WebOS da Palm.

E o erro é tanto maior uma vez que à Nokia associamos os telemóveis e neles não existe uma monocultura de sistemas operativos, é uma industria vibrante e inovadora, e a Nokia poderia, deveria, usar essa vantagem, infelizmente parece que optou por ser apenas mais uma entre tantas outras empresas com netbooks.

O mais ridiculo disto tudo é que a Nokia tem in house a tecnologia para isso, uma vez que tem disponível o Maemo que irá usar no seu N900.

A Nokia perde assim uma oportunidade única para trazer ao mundo e aos seus habituais e potencias clientes, uma nova plataforma, mais robusta, livre e inovadora que lhe permitiria ter um produto que se destacava da concorrência, com a enorme vantagem de devido ao seu nome e à associação que fazemos dele, os seus clientes e potenciais clientes não iriam estranhar em nada usarem outro sistema operativo, usarem outro paradigma.

Assim é apenas e só, mais um netbook, a somar a tantos outros.

As 25 reportagens censuradas de 2009

Acabar com a guerra à PARTILHA!

[update: o Miguel Caetano do excelente blog Remixtures resolveu traduzir este artigo de RMS, para quem tem dificuldades com o inglês tem agora disponível uma versão em Português]

Eis um artigo do criador da licença GNU e do movimento do Software Livre, Richard Stallman, que deve ser lido e relido,especialmente pelos senhores da MAFiAA, que todos os dias nos chamam a todos de criminosos.


free_as_in_freedom_book_cover_richard_stallman


Ending the War on Sharing

When record companies make a fuss about the danger of “piracy”, they’re not talking about violent attacks on shipping. What they complain about is the sharing of copies of music, an activity in which millions of people participate in a spirit of cooperation. The term “piracy” is used by record companies to demonize sharing and cooperation by equating them to kidnaping, murder and theft.

Ending the War on Sharing

To stop people from sharing goes against human nature, and the Orwellian propaganda that “sharing is theft” usually falls on deaf ears. It appears the only way to stop people from sharing is with a harsh War on Sharing. Thus the record companies, through their legal arms such as the RIAA, sue teenagers for hundreds of thousands of dollars for sharing. Meanwhile, corporate conspiracies to restrict public access to technology have developed systems of Digital Restrictions Management, designed to handcuff users and make copying impossible. Examples include iTunes as well as DVDs and Blueray disks. (See DefectiveByDesign.org for more information.) Although these conspiracies operate in restraint of trade, governments systematically fail to prosecute them.

Ending the War on Sharing

At a recent film conference I heard a proposal to require people to prove their identity to gain access to the Internet; such monitoring would also help crush dissent and democracy. China has announced such a policy for Internet cafes; will the EU be next? An MP in the UK proposed to imprison people for ten years for sharing. This has not been adopted — yet. Meanwhile, in Mexico, children are being invited to report their own parents, Soviet style, for unauthorized copying. It seems there is no limit to the cruelty that the copyright industry will propose for its War on Sharing.

Ending the War on Sharing

The record companies’ main argument for forbidding sharing is that it causes the “loss” of jobs. This claim turns out to be pure guesswork (1). But even if they were true, they would not justify the War on Sharing. Should we forbid people to clean their own homes to avoid “loss” of janitorial jobs? Forbid people to cook for themselves, or forbid sharing of recipes, to avoid the “loss” of restaurant jobs? Such arguments are absurd because the “cure” is more profoundly harmful than the “disease”.

Ending the War on Sharing

Besides, even if the record companies never succeed in crushing human cooperation, they cause much misery just by trying, and intend to cause more. Rather than allow them to pursue the War on Sharing until they admit it is futile, we must stop them as soon as possible. We must legalize sharing.

Some say the networked society has no more use for record companies. I do not support that position. I will never pay for a music download until the day I can do that anonymously, so I want to be able to buy CDs anonymously in a record store. I do not wish for the elimination of record companies in general, but I will not give up my freedom to keep them going.

Dólar perto do fim: Cada vez mais perto do (Des)Governo Mundial

[update: A propósito dos milhões que os países têm distribuído à Banca, aqui fica um site sobre o bailout nos EUA, estado a estado.]

Pois é usando a famosa técnica do Problema…Reacção…Solução…, bem demonstrada na famosa ‘crise’ criada pela FED e seus amigos, os senhores do mundo vão conseguindo os seus objectivos há muito traçados, desde pelo menos a criação da FED.

http://plainview.files.wordpress.com/2009/07/medvedev_1441271c1.jpg


Segundo noticia a Agência Financeira,
“Joseph Stiglitz, antigo resposável pelo Banco Mundial e Prémio Nobel de Economia, propôs esta sexta-feira que se crie uma divisa internacional para substituir o dólar como moeda de reserva mundial (…)“.

Mas isto não é novidade, é apenas e só a continuação da proposta do Presidente russo Medvedev que já havia apresentado uma moeda mundial a quando do encontro do G-8.

Mas até o caro Medvedev estava atrasado, ou melhor, estaria a dar apenas continuidade ao que um dos poderosos da FED e hoje secretário do Tesouro na Administração Obama, Timothy Geithner, afirmou após mais um encontro do grupo Bilderberg, em Junho de 2008,altura em que era Presidente da FED de Nova York, defendeu no FTimes um “global regulatory banking framework”…

E claro não foi só este senhor que esteve presente no encontro do grupinho Fascista, Not only did Geithner attend, but the attendee list included Ben Bernanke the Federal Reserve Chairman, Henry Paulson the U.S. Treasury Secretary, Jean-Claude Trichet the president of the European Central Bank, Robert Zoellick the president of the World Bank and other high profile bankers.

Mas não é só directamente da frente da economia que nos chegam tristes notícias, o czar da ciência da Administração Obama, o defensor ferrenho de todos os projectos que envolvam acabar com uns milhões de seres humanos, o senhor
John P. Holdren, durante um encontro da nossa tão conhecida Goldman Sachs, relativo ao tema das energias,ambiente e os mercados financeiros, resolveu propor mais umas medidas no minimo controversas, pretende este senhor que se use geo-engineering para se alterar a atmosfera,por forma a atacar-se a tão propagada mentira que é o aquecimento global.

Parece que como seria de esperar,não se encontra sozinho, uma vez que a corja de que faz parte, os senhores do CFR, defendem exactamente o mesmo.

Será que irão usar tecnologias como a HAARP por forma a modificarem a atmosfera do nosso planeta e com isso causar a morte a milhões de pessoas como é seu obejctivo? Ou será que já o estão a fazer?

HAARP.net – The Military’s Pandora’s Box by Dr. Nick Begich and Jeane Manning

HAARP will zap the upper atmosphere with a focused and steerable electromagnetic beam. It is an advanced model of an “ionospheric heater.” (The ionosphere is the electrically-charged sphere surrounding Earth’s upper atmosphere. It ranges between 40 to 60 miles above the surface of the Earth.)

Put simply, the apparatus for HAARP is a reversal of a radio telescope; antenna send out signals instead of receiving. HAARP is the test run for a super-powerful radiowave-beaming technology that lifts areas of the ionosphere by focusing a beam and heating those areas. Electromagnetic waves then bounce back onto earth and penetrate everything — living and dead.

Relembrar que este senhor recentemente nomeado pela Administração de Obama/Biden para a área da ciência, defende entre outras coisas:

• Women could be forced to abort their pregnancies, whether they wanted to or not;
• The population at large could be sterilized by infertility drugs intentionally put into the nation’s drinking water or in food;
• Single mothers and teen mothers should have their babies seized from them against their will and given away to other couples to raise;
• People who “contribute to social deterioration” (i.e. undesirables) “can be required by law to exercise reproductive responsibility” — in other words, be compelled to have abortions or be sterilized.
• A transnational “Planetary Regime” should assume control of the global economy and also dictate the most intimate details of Americans’ lives — using an armed international police force.

via John Holdren, Obama’s Science Czar, says: Forced abortions and mass sterilization needed to save the planet

E como se estas notícias não bastassem para nos deixar muito mal-dispostos, no site infowars, ainda leio que o IMF/Fundo Monetário Internacional, defende que os países terão de aumentar os impostos por forma a pagar os biliões que segundo estes senhores, foram usados para combater a recessão mundial.

Que pena estes senhores não se lembrarem que os biliões gastos foram parar aos bolsos deles próprios, da Banca que criou artificialmente esta crise e que ainda por cima beneficiou dela, uma vez que todos nós é que temos vindo a patrocinar todas estas falcatruas, temos vindo, e continuaremos, isto se não acordar-mos desta letargia.

E enquanto não acordamos o fosso que nos separa destas elites que nos querem a todos destruir, vai cada vez mais se acentuando.
E Portugal está muito longe de estar fora deste jogo, destas negociatas que enriquecem da noite para o dia, meia dúzia de espertos.

Continuamos assim no caminho imparável para o Governo Mundial…. Para infelicidade de todos nós.