Alguns programas de CAD alternativos

Toda a gente sabe que o AutoCAD da Autodesk é dono e senhor do mercado de CAD-CAM, mas existem óptimas alternativas, é preciso é explorar, e essas alternativas aparecem quer do lado do Software Livre quer do proprietário, em relação a este último mencionaria o Arcad.

Aqui ficam alguns exemplos presentes nestas páginas….

Linux Alternative Project (formally the Linux Equivalent
Project)

OSALT

e claro não poderia faltar o site que mais exemplos possui sobre este tipo de software:

CAD software for Linux


Em relação ao CAD Cá ficam os exemplos dados pelo OSALT:

Open source AutoCAD alternatives

QCad Community Edition 2.0.5.0
Available for: windows mac linux unix java QCad
Community Edition is an open source edition of RibbonSoft’s CAD system.
QCad is a 2D CAD application that aims at being simple enough foranyone to use – even users with no previous CAD… Read more
BRL-CAD 7.10
Available for: windows mac linux unix java BRL-CAD
is an open source cad systems based around constructive solid geometry (csg) modeling. On top of all of it’s modeling features, such as the interactive geometry editor, BRL-CAD offers… Read more
Archimedes 0.52.0
Available for: windows mac linux unix java Archimedes
is a computer aided design (CAD) solution focusing on architectural design. While the current version of Archimedes may not be mature enough for all – this project is very promising. It… Read more

Anúncios

"Pogo" o browser 3D da AT&T powered by Mozilla

A AT&T resolveu através da Vizible, empresa onde detém interesses e que se dedica ao desenvolvimento de “rendering 3d”, criar um novo browser baseado no Mozilla.

Por agora parece que será só para m$–window$.

Resta saber se não será um meio mais lindinho para a At&T espiar para os seus verdadeiros “bosses”, os senhores da NSA, como tem vindo a ser largamente divulgado.

AT&T – Wikipedia, the free encyclopedia

In 2006, the Electronic Frontier Foundation lodged a class action lawsuit, Hepting v. AT&T, which alleged that AT&T had allowed agents of the National Security Agency (NSA) to monitor phone and Internet communications of AT&T customers without warrants. If true, this would violate the Foreign Intelligence Surveillance Act of 1978 and the First and Fourth Amendments of the U.S. Constitution. AT&T has yet to confirm or deny that monitoring by the NSA is occurring. In April 2006, a retired former AT&T technician, Mark Klein, lodged an affidavit supporting this allegation.[17][18] The Department of Justice has stated they will intervene in this lawsuit by means of State Secrets Privilege.[19] In May 2006, USA Today reported that all international and domestic calling records had been handed over to the National Security Agency by AT&T, Verizon, SBC, and BellSouth for the purpose of creating a massive calling database.[20] The portions of the new AT&T that had been part of SBC Communications before November 18, 2005 were not mentioned.

in Wikipedia

AT&T Is Working on Its Own 3D Browser (Pogo). What Are They Thinking?

I was just shown a demo for Pogo, a 3D browser based on Mozilla that is in private beta (we should be getting invites in a couple weeks). It is a project that comes out AT&T’s business development group and Vizible, a Toronto-based company whose 3-D rendering engine gives Pogo a very different look than other browsers. (AT&T is an investor in Vizible). “The concept is not to rebuild the browser,” says Vizible founder and CTO Anthony Gallo, “it is to extend it.” For the foreseeable future, Pogo will only be available for Windows machines.

Algumas das despesas em Software da CM Odivelas – parte I

Após ler Contas do Nuno Pinto e após receber hoje a resposta a um mail que enviei à Câmara Municipal de Odivelas em 28 de Fevereiro de 2008 sobre um pedido de informação das diversas despesas da câmara em software, recebi hoje a resposta.

Segundo o mail da CMOdivelas que transcrevo em baixo, posso obter essa informação no seu site.

Venho, por este meio, e após informações prestadas pelo Gabinete da Presidência, comunicar que as aquisições de bens e serviços públicos são objecto de decisões que se encontram publicadas no Boletim Municipal de Decisões e Deliberações.

Mais se informa que todos os números do Boletim Municipal se encontram disponíveis para consulta no site oficial da CMO (www.cm-odivelas.pt).

Lá coloco o endereço no browser, Mozilla Firefox 2.0.0.12, até aqui tudo bem, mas assim que vou até à página de busca lá começam as broncas.

O mesmo erro ocorreu também no m$-IExplorer 7.0, estando neste momento no computador do trabalho dá para testar com essa coisa a que chamam browser.

Mas o mais caricato é que estando eu em Portugal, sendo a CMOdivelas portuguesa e presumindo que por cá falamos o Português, pensei que o motor de busca da base de dados percebesse as particularidades da nossa língua, ou seja, os ç ~ ^ etc etc.

Infelizmente quem configurou o motor de busca ou a base de dados esqueceu-se desse pormenor.

Após algumas tentativas muitooooo lentassss lá consegui encontrar a página com a informação que pretendia, Deliberações Municipais.

Ainda não consultei todos os documentos correspondentes aos diversos anos, apenas dei uma vista de olhos pelo ano de 2007 e 2008, mas já podemos encontrar alguma informação sobre a utilização do erário público na aquisição de serviços, hardware e software por parte desta câmara.

Na minha modestíssima opinião não creio que se trate de um uso inteligente de recursos, ainda para mais quando passam a vida a queixarem-se que não dispõem de verbas para isto e para aquilo.

Pelo que percebi quem na CM Odivelas tem a responsabilidade da área de informática é o Gabinete Informática e Sistema de Comunicação, são eles que definem o que é necessário e que aquisições efectuar.

A estrutura da CM Odivelas está organizada desta forma:

Logo à partida existem situações que deveriam merecer a atenção do GISC, como sejam, verificar
se não existiria Software Livre que permitisse a mesma funcionalidade
que o software proprietário adquirido, pelo que verifico essa situação
nunca é contemplada.
Não encontrei nesta pequena busca informação sobre se é tido em conta o diverso Software Livre que existe neste momento em desenvolvimento e com diversas provas dadas por esse mundo fora e que já foi objecto de debate pela Assembleia da República.

Não nos devemos esquecer que a própria UE defende a utilização de Software Livre pela administração pública como é explicado no post,Comissâo Europeia aumenta utilização de software open source, do Paulo Vilela e bem patente na página da UE que segue a disseminação de FLOSS na UE.

De entre as coisas que saltaram logo à vista foi a repetição das mesmas empresas n vezes, empresas tais como:

“CPCis, S.A.”
“Informática El Corte Inglês, S.A.”
“Ataraxia, Lda.”
“Informantem”
“Link”

Algumas coisas que não percebi, tais como o que será, Software Microsoft do Ensino Básico.
A microsoft tem algum software específico para o ensino básico? Será a Encarta? Pelo menos não aparece mencionada.

Assunto: Proposta de pagamento à empresa “CPCis, S.A.”, no valor de € 4.243.55 (Quatro mil, duzentos e quarenta e três euros e cinquenta e cinco cêntimos), referente ao fornecimento de Software Microsoft do Ensino Básico(…)

Outras situações como esta:

Assunto: Proposta de abertura de procedimento por Concurso Limitado Sem Apresentação de Candidaturas para Aquisição de software de Gestão Documental no âmbito do subprojecto “Modernização Electrónica dos Serviços de Atendimento” do ALO_Digital via GISC da CMO, às empresas Microsoft, Lda.; ATM Informática 2; Link Consulting, AS; Unisys; Time Stamp, Lda., de acordo com a informação nº 000603/DA/2006 de 06.03.2006 – Processo nº 0102/06/DGAF/DA. A despesa encontra-se classificada no PRC 681/06, pelo valor previsto de 75.625,00 €.

Assunto: Proposta de abertura de procedimento por Ajuste Directo para Prestação de Serviço de Reparação de Central
Telefónica das instalações da DGOU – Via GISC(…)

Infelizmente na maior parte das vezes nunca é mencionado o software a que se refere a aquisição:

Assunto: Proposta de pagamento da factura n.º 863, à empresa “Link”, no valor de € 19.965,00 (Dezanove mil, novecentos e sessenta e cinco euros), referente ao fornecimento de software no âmbito do sub projecto do ALO-Digital “Intranet Autarquia em Banda Larga” via GISC.

Em relação à microsoft e apenas por alto, uma vez que não verifiquei todos os dados, aqui ficam alguns valores:

Assunto: Proposta de pagamento da factura n.º 2006/NLE1100104, à empresa “CPCis”, no valor de €124.542,23 (Cento e vinte e quatro mil, quinhentos e quarenta e dois euros e vinte e três cêntimos), referente à renovação de licenciamento Microsoft Enterprise Agreement, via GISC da CMO.

Assunto: Renovação de Licenciamento Microsoft Enterprise Agreement, à empresa CPC-IS-Informática Sistemas, AS, no
valor de € 102,927,48, de acordo com a Informação n.º 2066/DA/06 Decisão: Autorizo a adjudicação nos termos propostos.


Eu não estou por dentro destes processos de aquisição, mas é normal o pagamento ser feito não à microsoft mas a um intermediário? esta política de aquisições não aumenta os preços?

Uma das situações que demonstra que o GISC não toma em conta as propostas de UE na utilização de Software Livre é a aquisição de software de CAD 2D, quando na realidade existem diversos projectos livres com software deste tipo já com um nível muito acentuado e que provavelmente poderiam substituir este ZWcad.

Assunto: Proposta de adjudicação para aquisição de licenças do software ZwCAD, via GISC, à empresa “Alexandre Aguiar Ribeiro” pelo valor de € 6.020,00 (Seis mil e vinte euros), nos termos apresentados pela informação n.º Interno/2007/16534, de 2007/08/29.

Alguns exemplos que deveriam ser levados em consideração, ainda para mais quando pelo que percebi a necessidade de software de CAD é principalmente a nível de 2D.

CAD & Linux: The LUnIx Linux CAD Links presented by Tech-EDV

(continua…)

Acabar com o lock in do M$-Exchange??

Com a evolução que tem ocorrido no Software Livre – GNU/Linux e FreeBSD (PC-BSD) – especialmente a nível de desktop, uma vez que em servidores apesar da evolução na simplicidade de operação e configuração eles já eram largamente usados, sempre existiram algumas aplicações que mantinham o lock in da microsoft.

Neste momento pequenas e médias empresas cada vez mais não creio que devam ter medo da mudança, uma vez que já existe software que pode e bem preencher e acabar com esse lock in.

Alguns exemplos dessas mudanças podem ser lidos neste post:

Thin clients em City of Largo, Florida, USA

Um dos problemas que geralmente se coloca é a substituição do M$-Exchange, felizmente já existem soluções muito interessantes como é o caso do Scalix e deste caso que hoje li, sobre a utilização do Gmail não necessitando do M$-Exchange, o Mailshadow for Google Apps, or MailShadow G.

Service links Gmail and Outlook, bypassing Exchange | Tech news blog – CNET News.com

Service links Gmail and Outlook, bypassing Exchange

If you like Microsoft’s Outlook e-mail client software but hate the
expense of licensing and running Exchange Server, Cemaphore Systems has
a proposition for you: a subscription service that effectively lets
people dump Exchange in favor of Google’s cloud-computing
infrastructure.

Um documentário…"Iraq for Sale"

Um excelente documentário que coloca algumas questões que nos fazem pensar sobre quem lucra com esta e outras guerras e os crimes contra a humanidade que se praticam.

Neste documentário fica patente o que as munições americanas de “Depleted Uranium” estão a fazer a Iraquianos e aos próprios soldados dos EUA.

The is no such beast as ‘depleted plutonium’. The substance I believe you’re after is ‘depleted uranium’, which is used in weapons projectiles and has been in the news recently over alleged health complications in Kosovo and the Persian Gulf.

Depleted uranium is produced during the recycling of spent fuel rods from nuclear reactors, during which plutonium, thorium and the most radioactive isotope of uranium (U235) are recovered for re-use in new fuel rods. The remaining ‘depleted’ uranium has very low levels of radioactivity – in fact, less than the original unrefined uranium oxide dug out of the ground to produce the fuel rods in the first place.

A Robert Greenwald film about corporations in Iraq. To watch more great movies or to learn the truth about the 9/11 attacks, visit WWW.TRUTH911.NET

Correr GNU/Linux na PS3

A IBM disponibiliza online diversas dicas interessantes sobre Software Livre, no seu developerWorks.

Aqui fica o primeiro artigo de uma série sobre como instalar GNU/Linux numa PS3.

Mas no developerWorks existe muito mais, se ainda não conhecem dêem olhada.

Running Linux on the PlayStation 3: More than a toy

Running Linux on the PlayStation 3: More than a toy

The Sony PlayStation 3 (PS3) runs Linux®, but getting it to run well requires some tweaking. In this article, first in a series, Peter Seebach introduces the features and benefits of PS3 Linux, and explains some of the issues that might benefit from a bit of tweaking.

When Sony first announced that the PlayStation 3 would be able to run Linux natively, a great deal of excitement ensued. Early on, it was a bit of a challenge to get Linux natively installed. The supported installer ran a custom script that hand-mangled a Fedora Core 5 or 6 install DVD into a runnable system with a special PS3 kernel. People put in hours and hours of effort to get other systems, such as Ubuntu, working. Terrasoft’s Yellow Dog Linux, with an actual graphical installer that ran on the PS3, was the king of the hill.

in developerWORKS

Linux for PlayStation 3 – Wikipedia, the free encyclopedia

Linux for PlayStation 3
From Wikipedia, the free encyclopedia

The PlayStation 3 is capable of running Linux as well as other operating systems if installed on the console’s hard drive. Yellow Dog Linux[1] is the “official” Linux OS for PlayStation 3. Other distributions are compatible with the console as well. Any Linux Operating System has access to 6 of the 7 Synergistic Processing Elements [2], Sony implements a hypervisor restricting access to the RSX. IBM provides an introduction to programming parallel applications on the PlayStation 3.

in Wikipedia

Uma distro interessante para a PS3 é a Yellow Dog, que é a versão oficial, com a interessante decisão por parte deles de usarem o leve e belo E17, o descendente do Enlightenment.

in terrasoftsolutions

Para os fans do Ubuntu também existe um site sobre o assunto, o psubuntu.

in GET-E

psubuntu.com | Ubuntu on a Playstation 3

psubuntu.com shows you how to install and run the Ubuntu Linux operating system on a Playstation 3. Read the installation instructions, or join the discussions in our forum.

Para terminar cá fica um video:

Nostalgia…Algumas das séries da minha infância! – Repost