Ataque à Privacidade: Obama e NSA aumentaram vigilância e retenção de dados dos cidadãos

[update: Artigo sobre o livro de Mark Klein – “Wiring up the Big Brother Machine … and Fighting It.”]

Muito tenho por aqui escrito sobre a invasão da privacidade e o cada vez maior ataque por parte de governos, políticos e associações de empresas e multinacionais de entretenimento como RIAA/MPAA, aos mais básicos direitos do Homem.

Assim de repente vêm logo à cabeça os ataques na França de Sarkozi e sua esposa cantora com a lei Hadopi e ainda o cozinhado internacional que está a ser feito à porta fechada com a cumplicidade de governos e multinacionais, o ACTA.

Agora acabo de ler mais uma prova do total controlo e securitarismo que cada vez vamos sofrendo mais na pele, tratam-se de dois artigos sobre a NSA e a lei FISA que suporta a sua vigilância aos cidadãos dos EUA, e posso acrescentar de todo o mundo, como o Parlamento Europeu provou a quando da investigação do projecto UKUSA, o Echelon.

https://i2.wp.com/upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/49/Echelon.jpg

No artigo mais de cariz politico e de defesa dos direitos dos cidadãos, o escritor James Bamford autor de três dos mais brilhantes livros sobre a NSA, The Puzzle Palace: Inside the National Security Agency, America’s Most Secret Intelligence Organization, Body of Secrets: Anatomy of the Ultra-Secret National Security Agency, The Shadow Factory: The Ultra-Secret NSA from 9/11 to the Eavesdropping on America, traça um panorama do actual estado de coisas nos EUA e de como tem vindo a piorar esta obsessão contra os direitos dos cidadãos e a sua invasão de privacidade por parte das agências governamentais, muito especialmente a NSA após a aprovação no Congresso da recente alteração à lei de 1978, FISA, a qual teve o voto favorável de Obama antes deste se tornar Presidente.

O artigo da InformationWeek releva mais os aspectos técnicos que a NSA está a usar e neste momento a construir por forma a conseguir albergar e tratar a massiva quantidade de informação recolhida em conluio com as telecom dos EUA como é aliás público e notório, uma vez que a ACLU e a EFF têm levado a tribunal estas situações e também em virtude dos whisleblowers/denunciantes, Mark Klein e Thomas M. Tamm.


ATT-NSA whistleblower Mark Klein, and EFF legal director

Segundo o artigo a NSA irá criar uma nuvem computacional (cloud computing), tipo google (fará mesmo uso do file system Hadoop, uma implementação do sistema de processamento paralelo do google MapReduce), por forma a distribuir pelo país diversos data centers por forma a conseguir tratar virtualmente todo o tipo de dados que existem hoje em dia, tirando partido do fabuloso poder computacional da nuvem.
NSA Using Cloud Model For Intelligence Sharing — Government Technology — InformationWeek

The NSA’s decision to use cloud computing technologies wasn’t about cutting costs or seeking innovation for innovation’s sake; rather, cloud computing was seen as a way to enable new scenarios and unprecedented scalability, Garrett said. “The object is to do things that were essentially impossible before,” he said.

Um dos data centers que irão ser construídos será no Utah, terá cerca de 92900m², custando cerca de $1,5mil milhões de dólares e foi desenhado para interceptar desde chamadas telefónicas, e-mail, buscas na rede Internet bem como outro tipo de comunicações interceptadas pela NSA.

Outro já quase pronto é no Texas, a terra do anterior Presidente.

James Bamford levanta no entanto uma importante questão que o fez juntar-se à ACLU «American Civil Liberties Union» por forma a intentar um processo contra a Administração, é que ele como escritor ainda por cima deste tipo de assuntos e da própria NSA, vê-se muitas das vezes na necessidade de comunicar com diversas pessoas do médio oriente, tendo-o levado a pensar se ele não estaria a ser vigiado.

Apesar de terem conseguido uma victória no Tribunal Federal de Distrito, provando que a Administração Bush tinha violado a Lei e a Constituição, perderam no entanto quando o tribunal indicou que eles não poderiam provar que tinham sido vitimas deste sistema de vigilância.

O mais ridiculo é que o tribunal indicou que o governo poderia-se recusar a confirmar ou negar as acusações e os acusadores não poderiam contestar essa tomada de posição do governo ou a sua Constitucionalidade a não ser que provassem que tinham estado a ser monitorizados.
A famosa pescadinha com rabo na boca!

Mas o mais perigoso é a nova revisão da FISA não colocar entraves à NSA nem sequer esta tem de identificar quem está a ser vigiado desde que os alvos se encontrem fora dos EUA, ou seja a NSA é livre de espiar activistas dos direitos humanos ou organizações de Media, mesmo que estas estejam a comunicar com pessoas que se encontram nos EUA.

E para os restantes casos podem sempre recorrer aos amigos do tratado UKUSA, como o Reino Unido onde existem semelhantes leis, ou seja eu não posso espiar dentro das minhas portas, embora o faça na mesma, mas caso necessite tu espias por mim os meus cidadãos que eu espio os teus.

A nota mais importante e interessante que se retira de todo este caso e muito especificamente do recente relatório a este tipo de actividades, é que apesar de toda a massiva quantidade de dados a que a NSA tem acesso, ninguém conseguiu apontar um caso em que toda esta espionagem tenha servido para um único sucesso na chamada luta contra o terrorismo.
The NSA is still listening to you | Salon

Finally, the FAA fails to place any meaningful limitations on the NSA’s retention of phone calls, e-mail and other communications that it collects — necessitating the colossal data storage mausoleums it is now building. The agency need only show that it has “reasonably designed” procedures to minimize information retention, which must give way to the NSA’s need “to obtain, produce, and disseminate foreign intelligence information.” And because “foreign intelligence” is very broadly defined, this allows the NSA to conduct immense data mining operations within those centers.

Anúncios

GPLv2: A boa vontade da microsoft afinal deveu-se à batota desta, mais uma vez!

Acabo de ler que afinal a história das 20mil linhas de código sob GPLv2 para o kernel Linux, não é bem como tem sido contada até agora.

Segundo um artigo do OSnews, a Microsoft foi OBRIGADA a colocar sob licença GPL o tal código que veio dizer que tinha ‘oferecido’ apenas e só porque foi apanhada a fazer batota como é seu hábito e costume, pela empresa de open source Vyatta que produz entre outros routers baseados em software livre.

Mais uma vez dou os PARABÉNS A RICHARD M. STALLMAN POR TÃO ELEVADA CONTRIBUIÇÃO PARA O BEM COMUM QUE É A SUA LICENÇA GPL.

Microsoft’s Linux Kernel Code Drop Result of GPL Violation

This story begins when Stephen Hemminger, principal engineer with open-source network vendor Vyatta and Linux contributor, finds out that a network driver in Microsoft’s Hyper-V uses open source components licensed under the GPL. These components were statically linked to closed-source binaries, which the GPL does not allow

Video:(Des)Governados pela Goldman Sachs

Já havia aqui colocado links para a notícia da RollingStone, mas agora em vídeo o jornalista que escreveu o artigo fala um pouco sobre os esquemas da Goldman Sachs.

Rolling Stone: The Great American Bubble Machine PT.1 of 5

Government by Goldman Sachs

Scam central
“The Financial Services Modernization Act.’

“The Commodity Futures Modernization Act.”

Goldman Sachs wrote them…

Clinton teed them up and Bush & Co. knocked them down the fairway.

Now Goldman owns the new president too.

The bankrupting of America (and the world) on the behalf of a handful of New York investment bankers.

Kleptocracy – government of the thieves, by the thieves, for the thieves.